BPI realça que dívida grega explica 80% das perdas de 2011. Grandes devedores representam 100 milhões de euros

“Como decorre da informação hoje publicada pelo Banco de Portugal, além das perdas em dívida grega, o BPI apresenta apenas na lista de grandes devedores nove situações adicionais, que atingem em conjunto o valor de 100 milhões de euros”, esclarece o BPI.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

No âmbito da entrega da lista de devedores divulgada esta terça-feira pelo Banco de Portugal, o banco BPI esclareceu em comunicado que a “dívida grega explica cerca de 80% das perdas reportadas pelo em 2011” e que esta instituição bancária “reembolsou integralmente a dívida ao Tesouro português”

O BPI esclarece que o valor agregado das perdas reportadas pelo BPI, em 2011, ascendia a 508 milhões de euros sendo que que este montante agregado “inclui as perdas com os títulos de Dívida Pública Grega que em 2011 ascendiam a 408 milhões de euros”, ou seja, 80% do total de perdas reportadas.

“Como decorre da informação hoje publicada pelo Banco de Portugal, além das perdas em dívida grega, o BPI apresenta apenas na lista de grandes devedores nove situações adicionais, que atingem em conjunto o valor de 100 milhões de euros”, esclarece o BPI.

 

Recomendadas

Santander isenta comissões nos POS aos comerciantes em fevereiro

O Banco Santander decidiu suspender a cobrança de comissões nos POS a todos os comerciantes que não faturem em fevereiro.

CGD e Saphety disponíveis para adiantar verbas a empresas a partir das faturas eletrónicas emitidas a clientes

Banco estatal e a Saphety vão oferecer ‘factoring’ digital às empresas. Através de faturas eletrónicas emitidas a clientes, as empresas poderão requerer à CGD que antecipe as verbas devidas pelos clientes das empresas. Posteriormente, esses clientes terão de pagar a fatura à CGD e não à empresa em causa.

S&P diz que BCP ainda tem espaço para absorver maiores perdas de crédito

A agência alerta no entanto que uma “deterioração adicional e mais acentuada das condições económicas e operacionais do que atualmente prevemos para Portugal (que representa cerca de 68% da carteira de crédito do BCP); uma deterioração significativa da qualidade do crédito do BCP; ou riscos de litígio piores do que o previsto na Polónia” podem levá-la a baixar o ‘rating’ do BCP.
Comentários