BPI tem 50 milhões de euros para inovação e empreendedorismo social

A linha tem por objetivo apoiar as micro, pequenas e médias empresas, ou entidades de economia social, que tenham iniciativas de inovação e empreendedorismo social. O financiamento atinge os 2,5 milhões de euros por operação, tem garantia até 80% e um prazo de até dez anos.

O BPI disponibilizou uma linha de crédito com uma dotação de 50 milhões de euros para facilitar o acesso a crédito para iniciativas de inovação e empreendedorismo social.

A linha tem por objetivo apoiar as micro, pequenas e médias empresas, ou entidades de economia social, que tenham iniciativas de inovação e empreendedorismo social, no âmbito da Iniciativa Portugal Inovação Social com parecer positivo da Estrutura de Missão Portugal Inovação Social (EMPIS) e que estejam localizadas nas regiões NUTS II do Norte, Centro e Alentejo.

Em comunicado, o banco explica que a “Linha FIS CRÉDITO – BPI” é uma linha de crédito bonificada a garantida, e visa dar resposta “a problemas e a necessidades sociais e societais não satisfeitas” como ” a promoção do emprego, formação e educação; a inclusão social, financeira e digital; a promoção do envelhecimento ativo; a promoção da saúde e bem-estar; o apoio a crianças e famílias e outras intervenções de natureza similar”.

Esta linha de crédito dá financiamento para estas iniciativas até 2,5 milhões de euros por operação e tem um prazo de até dez anos e um período de carência de até três anos.

As entidades que recorram a esta linha podem beneficiar de uma bonificação da taxa de juro e comissões de garantia mútua, spread e comissão de garantia mútua com limites máximos definidos no protocolo, comissão de estudo e montagem de até 0,25% e cobertura pela garantia mútua de até 80%.

Recomendadas

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Crédit Agricole convidado para colocar as mais recentes emissões sindicadas de obrigações do tesouro

O Crédit Agrícole emitiu um comunicado onde faz o balanço do seu papel na economia portuguesa, onde está presente através da GNB Seguros com 75%; da Eurofactor e do Banco Credibom. Para além de ter ajudado a colocar dívida do Estado português.

Aumento da margem financeira, dos depósitos e número de contas impulsiona rendimentos do Banco CTT

Apesar do atual estado da economia e dos efeitos da pandemia, o Banco CTT registou um crescimento de 63%, para 38,4 milhões de euros, nos rendimentos do primeiro semestre de 2020. O banco registou 2,9 mil pedidos de moratórias, expondo um total de 66,6 milhões de euros, o que representa “cerca de 7% do total da carteira bruta de crédito” da instituição bancária.
Comentários