Brasil: Futuro ministro da Economia de Bolsonaro anuncia seis secretários da nova equipa económica

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou este sábado o nome de Marcelo Guaranys, ex-diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), como secretário-executivo da pasta.

Antonio Lacerda / EPA

Analista de Finanças e Controlo do Tesouro Nacional, Guaranys é mestre em Direito Público pela Universidade de Brasília e é o atual Subchefe de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais da Casa Civil da Presidência da República.

Guedes confirmou este sábado, em nota, seis novos nomes para a sua equipa. Como secretário-geral da Fazenda, o escolhido foi Waldery Rodrigues Júnior. Engenheiro formado pelo ITA, mestre e doutor em economia, Rodrigues Júnior tem larga experiência no setor público. É pesquisador concursado pelo Instituto de Pesquisa Económica e Aplicada (Ipea) e consultor do Senado Federal na área política económica.

O atual ministro do Planeamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, será o secretário-geral adjunto da Fazenda.

O secretário-geral de Desburocratização, Gestão e Governo Digital será Paulo Uebel, ex-diretor executivo do Instituto Millenium, fundado por Guedes para promover o liberalismo económico. Ele é especialista em direito tributário, financeiro e económico. Foi secretário de Gestão da prefeitura de São Paulo e CEO Global do Lide – Grupo de Líderes Empresariais.

Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, Gleisson Cardoso Rubin será o novo secretário-geral adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital. Atualmente, ele ocupa o cargo de secretário-executivo do Ministério do Planeamento.

O economista Carlos da Costa ocupará o cargo de secretário-geral de Produtividade e Competitividade. Ele já foi diretor de Planeamento, Crédito e Tecnologia do Banco Nacional do Desenvolvimento Económico e Social (BNDES). Antes disso, presidiu o Instituto de Performance e Liderança e foi sócio-diretor do Ibmec Educacional.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: Como é que o Reino Unido chegou à crise em que se está a afundar?

Razões históricas mas também de política interna motivam uma situação que está a extremar-se para lá das mais radicais das previsões.

Avianca Brasil avança com pedido de “recuperação judicial” por causa das dívidas

Companhia aérea brasileira, detida por Germán Efromovich (concorrente derrotado na privatização da TAP em 2015), “está sob o risco de paralisar as suas operações e de devolver aeronaves”, noticia a “Exame”.

China poderá reduzir tarifas às importações de automóveis produzidos nos EUA

Avanço nas negociações entre os EUA e a China pode reforçar as tréguas comerciais que começaram no passado dia 1 e têm um prazo de 90 dias. Ações das grandes construtoras mundiais subiram. Vendas de automóveis no mercado chinês desaceleraram no segundo semestre do ano.
Comentários