Brexit: 40 empresas mudaram-se em 2018 para a Holanda

Cerca de quatro dezenas de empresas mudaram-se para a Holanda em 2018 por causa da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), o que resultará em 1.923 postos de trabalho e 291 milhões de euros em investimentos para o país.

De acordo com um comunicado da Agência de Investimento Estrangeiro na Holanda (NFIA), este valor representa um grande aumento em relação às 18 empresas que se mudaram para a Holanda em 2017. Por esta razão, a NFIA está em contato com 250 outras empresas estrangeiras que estão a considerar estabelecerem-se no país devido ao ‘Brexit’, segundo a nota em uma declaração.

O Reino Unido deve abandonar a UE no dia 29 de março.

A maioria das empresas interessadas em mudar-se para a Holanda são britânicas, mas também norte-americanas ou asiáticas, que estão a “reconsiderar” a estrutura europeia com a saída do Reino Unido da UE, embora essas empresas também estejam a estudar as possibilidades de estabelecerem-se na Alemanha, França e Irlanda, de acordo com a NFIA.

Entre as empresas que anunciaram a mudança de seus escritórios para a Holanda, devido em parte ao ‘Brexit’, são o banco de investimento japonês Norinchukin e a TVT Media, bem como fornecedores de serviços financeiros MarketAxess e Azimo, referiu o comunicado.

Em 2019, outras empresas, incluindo a Discovery e a Bloomberg, anunciaram a intenção de investir na Holanda pelo mesmo motivo.

Relacionadas

‘Hard Brexit’: Governo vai pagar até 457 euros por dia a trabalhadores para centro de emergência

Procuram-se indivíduos “imperturbáveis” para auxiliar a esclarecer qualquer emergência que ocorra num cenário de saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo.

“Brexit? Arriscamos uma catástrofe económica e humana”, diz presidente do Parlamento Europeu

“Queremos agradecer a visita da primeira-ministra May. Foi uma reunião produtiva, mas estamos muito preocupados. Arriscamos uma catástrofe económica e humana, esta é a realidade no caso de um ‘Brexit’ sem acordo. Uma saída desordenada é uma solução muito perigosa”, assumiu Antonio Tajani.

Apesar do risco de Brexit sem acordo, Inglaterra deve crescer 1,2% este ano

Instituição liderada por Mark Carney reviu em ligeira baixa as previsões de crescimento da economia este ano. Alertou para a incerteza associada ao Brexit e sinalizou que o rumo da política monetária “não será automático e poderá ser em qualquer direção”.
Recomendadas

PremiumFuturo de Espanha decide-se a partir de Estremera

Hegemonia da ERC na Catalunha pode levar a maioria absoluta de esquerda liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez, juntando também o Unidos Podemos.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.
Comentários