Brexit: Acordo de Saída já era. Segue-se a votação sobre o ‘no deal’

Westminster voltará a ser chamado já esta quarta-feira para votar sobre a possibilidade de uma saída sem acordo, um cenário conhecido como ‘no deal’ Brexit.

O Parlamento britânico chumbou há momentos o acordo do Brexit proposto pela primeira-ministra, Theresa May, com 391 votos contra e 242 votos a favor.

Com o segundo chumbo parlamentar sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, Westminster voltará a ser chamado já amanhã, dia 13, para votar sobre a possibilidade de uma saída sem acordo, um cenário conhecido como no deal Brexit.

Se o Parlamento aprovar o no deal, teremos um hard Brexit e o Reino Unido sairá da UE sem acordo. Ainda assim, permanecerá uma questão em aberto: será que o Reino Unido saí da UE, sem acordo, no dia 29 de março?

Mas, caso contrário, se esta quarta-feira o no deal for chumbado no parlamento, haverá nova votação  na quinta-feira, dia 14. Desta vez, os deputados britânicos debruçar-se-ão sobre a possível extensão do artigo 50 do Tratado de Lisboa.

Na quinta-feira, das duas uma: ou os deputados chumbam a extensão do artigo 50, ou aprovam-na.

No primeiro caso, não haverá extensão do artigo 50, nem uma saída com acordo do Reino Unido da UE, permanecendo uma questão no ar: será que o Reino Unido saí da UE, sem acordo, no dia 29 de março?

No segundo caso, os deputados aprovam a extensão do artigo 50 e Theresa May terá de ir a Bruxelas para mais uma ronda de negociações, desta vez pedindo a extensão do prazo para continuar as negociações para consumar a saída do Brexit. Para tal, o Conselho Europeu tem de decidir, por unanimidade, prorrogar esse prazo.

Ler mais
Relacionadas

Deputados britânicos chumbam acordo de saída do Reino Unido da União Europeia

Com este novo chumbo, o governo prometeu dar aos deputados a opção de sair da UE sem um acordo ou de pedir aos líderes europeus um adiamento do ‘Brexit’ para depois de 29 de março.

O que está em causa na votação de hoje? May alerta para risco do ‘Brexit’ não acontecer

Ao abrir o debate na Câmara dos Comuns que vai anteceder o voto ao Acordo, May defendeu que as negociações que decorreram ao longo de oito semanas após o chumbo do documento, em janeiro, resultaram num “acordo melhorado que merece o apoio de todos” os deputados.

Incerteza de curto-prazo em torno do Brexit traz volatilidade à libra esterlina

Segundo um artigo de análise do banco holandês ING, nos mercados cambiais existe uma volatilidade mais acentuada na relação libra/dólar norte-americano nas próximas duas a três semanas, do que num período de tempo mais alargado.
Recomendadas

PS: Pedro Marques poupa palavras no metro de Lisboa mas reforça convicção na vitória

No nono dia de campanha do PS, Pedro Marques elegeu os passes sociais para apelar ao voto nas eleições europeias. Entre o desinteresse e a incerteza de quem passava, o ex-ministro promoveu a medida de reduzir o custo dos passes sociais e ouviu queixas. Mas não se alongou muito e optou por fazer a viagem quase sem falar com os passageiros.

Paulo Sande: “Vamos eleger dois eurodeputados do Aliança e será bom para o país ter uma nova atitude na Europa”

O cabeça-de-lista do novo partido Aliança expressa a sua confiança na obtenção de um bom resultado nas eleições europeias, sublinha a importância de “encontrar um equilíbrio” entre o federalismo e o soberanismo, propõe “deputados-sombra” para assegurar um maior escrutínio e quer que todas as normas europeias sejam avaliadas do ponto de vista do impacto ambiental.

Líder Trabalhista diz que não apoiará nova proposta de acordo de May

Theresa May apresentou hoje uma nova proposta para um acordo do ‘Brexit’, que levará ao Parlamento no próximo dia 03 de junho, mas precisa de uma maioria de deputados Conservadores e Trabalhistas para atingir o objetivo. Corbyn recusa “apoiar uma versão reaproveitada do antigo acordo”.
Comentários