Brexit: ausência de acordo é “mais provável do que nunca”, garante Tusk

O facto de a União Europeia se dever preparar de forma responsável para o cenário de um “não acordo” não significa que não devam ser feitos “todos os esforços”, assegura presidente do Conselho Europeu.

Donald Tusk

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, advertiu hoje que o cenário de uma ausência de acordo para a concretização da saída do Reino Unido da União Europeia é “mais provável do que nunca”.

Na carta-convite dirigida aos chefes de Estado e de Governo da UE para o Conselho Europeu de quarta e quinta-feira em Bruxelas, considerado “o momento da verdade” nas negociações em torno do ‘Brexit’, Tusk sublinha todavia que o facto de a União Europeia se dever preparar de forma responsável para o cenário de um “não acordo” não significa que não devam ser feitos “todos os esforços” para alcançar o melhor acordo possível para todas as partes.

Relacionadas

Brexit poderá ter acordo em novembro ou dezembro, prevê primeiro-ministro irlandês

Leo Varadkar comentava o facto de as negociações entre o Reino Unido e da UE terem chegado a um novo impasse neste fim de semana, dois dias antes do início, na quarta-feira, de um Conselho Europeu em Bruxelas, devido à questão da fronteira entre a Irlanda e a província britânica da Irlanda do Norte.

Semana crucial para o Brexit já começou mal

Uma reunião técnica que devia abrir caminho ao esboço de um acordo político não permitiu qualquer avanço. A cimeira extraordinária de chefes de Estado de novembro pode ser agora a última hipótese de um Brexit tranquilo.
Recomendadas

EUA: Powell reitera novamente apoio da Fed à retoma e aponta a “teste mais exigente” no capítulo laboral

O presidente da Fed voltou a reforçar o compromisso do organismo com o apoio à retoma nos EUA e, apesar de vários governadores do Comité da autoridade monetária verem já progresso suficiente no mercado laboral, esclareceu que pretende ver a economia passar “um teste mais exigente” neste capítulo.

Fed revê crescimento dos EUA em baixa e inflação em alta para este ano

A Reserva Federal estima que o crescimento real do PIB norte-americano seja menor do que os 7% estimados em junho, apontando agora para 5,6% em 2021, mas prevê que 2022 traga uma evolução do PIB mais favorável do que o calculado há três meses.

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.
Comentários