Brexit. David Cameron diz ter dúvidas sobre plano de Boris Johnson

“Tenho dúvidas sobre o que está a ser proposto”, afirmou o antigo primeiro-ministro britânico à comunicação social esta segunda-feira. Foi durante os anos de governação de David Cameron que o referendo ao Brexit teve lugar. O antigo primeiro-ministro fez campanha contra o Brexit e após a vitória dos que queriam a saída do Reino Unido da UE, Cameron renunciou ao cargo.

Stefan Wermuth / Reuters

O antigo primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, considera  preocupante o plano de Boris Johnson para avançar com nova legislação que anula partes do acordo de saída do país da União Europeia (UE), violando a lei internacional, de acordo com a Reuters.

“Aprovar uma lei do parlamento e depois quebrar uma obrigação de um tratado internacional é a última coisa que se deve considerar. Isso deve ser o último recurso”, afirmou David Cameron, esta segunda-feira. “Tenho dúvidas sobre o que está a ser proposto”, acrescentou.

Ao mostrar preocupação com a estratégia do atual primeiro-ministro do Reino Unido, Cameron junta-se a Tony Blair e John Major nas críticas à forma como Boris Johnson tem conduzido a preparação do pós-Brexit para o país.

David Cameron foi primeiro-ministro do Reino Unido entre maio de 2010 e julho de 2016. Foi durante o seu governo que o referendo do Brexit avançou, tendo o plebiscito sido realizado em 23 de junho de 2016. À época, Cameron fez campanha contra o Brexit e após a vitória dos que queriam a saída do Reino Unido da UE, o então primeiro-ministro renunciou ao cargo.

Foi sucedido por Theresa May, que apesar de ser contra a saída da UE aceitou negociar a saída do país da organização. May acabou por renunciar também ao mandato, após três tentativas mal sucedidas fechar os termos finais do Brexit. Sucedeu-lhe Boris Johnson, cujo governo concretizou a saída do Reino Unida da UE em 31 de janeiro de 2020.

O plano de Boris Johnson
No dia 9 de setembro, o governo de Boris Johnson apresentou uma proposta de lei sobre o Mercado Interno no Reino Unido, contra a qual a Comissão Europeia já ameaçou com uma ação legal, avisando que “a violação dos termos do acordo de saída violaria o direito internacional, minaria a confiança e poria em risco as futuras negociações em curso sobre as relações”.

Ora, a proposta de lei para o Mercado Interno contraria partes do acordo para o Brexit, ao impedir a aplicação da lei da UE no caso de as negociações para um acordo comercial pós-Brexit, entre Londres e Bruxelas, falharem em questões como declarações de exportação, apoios estatais e controlos aduaneiros relativamente que envolvam a Irlanda do Norte.

O acordo de saída e também o Protocolo da Irlanda do Norte foram redigidos, precisamente, com o objetivo de proteger o processo de paz na Irlanda do Norte, evitando a necessidade de uma fronteira física entre o território britânico com a Irlanda, membro da UE. Por isso, qualquer controlo aduaneiro teria de ser feito entre a Irlanda do Norte o resto do Reino Unido, que estão separados pelo Mar da Irlanda.

Entretanto, Johnson já defendeu o seu plano ao afirmar que Bruxelas está a ameaçar a “integridade” do Reino Unido, ao fazer uma “interpretação extrema” do Protocolo da Irlanda do Norte.

Ler mais
Relacionadas

“Vamos fazer com que a UE tire as ameaças da mesa”. Johnson acusa Bruxelas de colocar em causa “paz e união” no Reino Unido

Em causa está uma proposta de lei sobre o Mercado Interno no Reino Unido publicada na quarta-feira, contra a qual a Comissão Europeia ameaçou com uma ação legal, avisando que “a violação dos termos do acordo de saída violaria o direito internacional, minaria a confiança e poria em risco as futuras negociações em curso sobre as relações”.

Brexit: Ex-primeiros-ministros britânicos dizem que projeto de Boris Johnson é “vergonhoso”

O projeto de Johnson, que tem incomodado políticos e responsáveis da UE, visa modificar o mecanismo já projetado para evitar o aumento da fronteira física entre as duas Irlandas, cujo objetivo é preservar a paz na Irlanda do Norte.

Irlanda acusa Boris Johnson de sabotar processo de paz

“Este é um ato unilateral e provocador, sem precedentes”, disse o ministro, acrescentando que o comunicado que a decisão servia para ajudar o Acordo de Belfast é “completamente falso e completamente errado”.
Recomendadas

INEM tem 18 profissionais infetados com Covid-19 e 39 de quarentena

Num boletim hoje divulgado, o Instituto Nacional de Emergência Médica avança que, a 22 de novembro, estavam 18 trabalhadores infetados, 38 em isolamento profilático e 16 profissionais estavam sob vigilância da Comissão de Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobianos (CCIRA) do INEM, sendo o registo mais elevado desde o início da pandemia.

CGTP reconhece avanços no OE mas acusa PS de “manter intocáveis interesses do grande capital”

Para a Intersindical, “a situação que atravessamos, resultado de décadas de política de direita agravadas pela Covid-19, carece de uma resposta articulada, abrangente e que rompa com as causas que estão na origem dos constrangimentos estruturais com que o país se debate”.

Brexit: Portugueses falharam quase oito mil candidaturas à residência no Reino Unido

Das 296.850 candidaturas de cidadãos portuguesas processadas até ao final de setembro, 7.780 foram consideradas inválidas (3.610 ), retiradas ou anuladas (3.370) ou recusadas (800), o que corresponde a 2,6%, acima da média geral.
Comentários