Brexit vai influenciar Orçamento da UE e condicionar fundos de coesão, defende eurodeputada Cláudia Monteiro Aguiar

A eurodeputada social-democrata Cláudia Monteiro Aguiar indica que o Brexit dominou as discussões europeias nos últimos anos e obrigou a “colocar em segundo plano” outras questões importantes para a UE, como os transportes, turismo e alterações climáticas.

Cristina Bernardo

A eurodeputada social-democrata Cláudia Monteiro Aguiar afirmou esta terça-feira que a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) vai influenciar Orçamento comunitário e condicionar fundos de coesão. Cláudia Monteiro Aguiar indica que o Brexit dominou as discussões europeias nos últimos anos e obrigou a “colocar em segundo plano” outras questões importantes para a UE, como os transportes, turismo e alterações climáticas.

“O Brexit dominou nos últimos anos as discussões europeias. A mobilidade, transportes, turismo e alterações climáticas são alguns dos desafios que precisam de um tratamento a longo prazo e que passaram para um segundo plano [devido ao Brexit]”, afirmou Cláudia Monteiro Aguiar, num debate sobre “Portugal e o Futuro da União Europeia” no ciclo de conversas mensais “30 a 3” promovido pelo Jornal Económico e pelo Montepio Crédito.

Cláudia Monteiro Aguiar lembra que a saída do Reino Unido da UE vai ter um duplo impacto negativo em Portugal. Isto porque o Reino Unido é um dos principais mercados para onde Portugal exporta e com o Brexit será “menos um contribuinte na UE e o Orçamento comunitário vai diminuir”.

“Menos orçamento da UE vai ser prejudicial para Portugal, que é suportado por fundos de coesão”, salientou.

A eurodeputada, que está no Parlamento Europeu desde julho de 2014, considera, por isso, que a comissária Elisa Ferreira, que ficou com a pasta dos fundos de coesão, vai ter um “papel fulcral” na comissão presidida por Ursula von der Leyen, que deve tomar posse esta sexta-feira, dia 1 de novembro.

“Precisamos de uma melhor Europa, mais próxima dos cidadãos e uma Europa com uma solidariedade entre Estados-membros, que deve se mantida e alargada a todos os espectros da população”, sublinhou.

“Portugal e o Futuro da União Europeia” foi a quarta de seis conversas mensais promovidas pelo Jornal Económico e pelo Montepio Crédito, que visa visam promover o debate e o esclarecimento público sobre os grandes temas decisivos para o futuro de Portugal.

Nas três edições já realizadas foram abordados outros temas como o setor do turismo em Portugal, o universo da emergente Indústria 4.0 e ainda o dossier da liderança.

Ler mais
Relacionadas

Portugal “dificilmente” ultrapassaria crise sem a UE, defende presidente do Montepio Crédito

Pedro Gouveia Alves lembra que cerca de dois terços das exportações portuguesas vão para Estados-membros da UE e que Portugal tem beneficiado muito dos acordos comunitários, mas ainda há espaço para Portugal se afirmar.

30’ A 3: “Portugal e o Futuro da União Europeia” em debate

Esta será uma conversa a três, já que se juntam à eurodeputada Cláudia Monteiro Aguiar, Pedro Gouveia Alves, presidente do Montepio Crédito, e o diretor adjunto do Jornal Económico, Shikresh Laxmidas, a quem caberá a moderação deste encontro. Acompanhe a conversa em direto no site e nas redes sociais do Jornal Económico.
Recomendadas

Conferência debate formas de construir e promover a marca Portugal

“Portugal é um bom produto, que consegue conciliar vários produtos: tradicionais (as pessoas), os que a geografia física nos deu (o clima), bem como outros de modernidade (a inovação)”, garante Carlos Sezões, coordenador do ‘think-thank’ Portugal Agora.

PremiumPedro Gouveia Alves: “Enquanto cidadãos devemos defender Portugal na UE”

Presidente do Montepio Crédito considera que a adesão à União Europeia trouxe “mais benefícios do que riscos” e ajudou Portugal durante a crise.

PremiumPortugal precisa de se afirmar para compensar cortes nos fundos europeus

Eurodeputada Cláudia Monteiro Aguiar acredita que a saída do Reino Unido da União Europeia vai obrigar a cortes nas verbas destinadas à coesão. Portugal pode sofrer e terá de encontrar novas formas de se afirmar.
Comentários