Bright Pixel premeia empreendedorismo na Universidade de Aveiro

A parceria entre as duas organizações incentivou cerca de 30 alunos a desenvolverem 14 protótipos inovadores.

A sociedade de investimentos tecnológicos do grupo Sonae, Bright Pixel, e a Universidade de Aveiro juntaram-se, no início do ano letivo, para incentivar o empreendedorismo na instituição de ensino e o resultado foi a criação de 14 protótipos tecnológicos.

Os projetos que contaram com a mentoria da Bright Pixel e da Sonae foram realizados pelos alunos do Mestrado em Comunicação e Multimédia (MCMM) da Universidade de Aveiro,  que tiveram acesso a uma bolsa  para aplicarem em tecnologia e materiais necessários para a criação de soluções inovadoras.

O programa contou com trinta participantes e a equipa vencedora viu as suas propinas do 2º ano de mestrado financiadas na totalidade. Já os estudantes que ficaram em 2.º lugar receberam um apoio de 50% nas propinas.

As soluções premiadas foram a Grønn, projecto para criar paredes interactivas que ajudam o cliente a seleccionar os electrodomésticos com maior eficiência energética, que terminou em 1.º lugar, e a Work UP, uma solução composta por hardware e mini-jogos a serem utilizados durante o horário laboral, para reduzir as lesões e aumentar a produtividade, que ganhou o 2.º prémio.

Celso Martinho, cofundador e CEO da Bright Pixel, destaca a importância da iniciativa: «Estamos orgulhosos de ter lançado, em conjunto com a Universidade de Aveiro, este projecto inovador a nível universitário em Portugal. A Bright Pixel tem como objectivo impulsionar a criação de novos projectos e apoiar a sua transformação numa startup de sucesso e acreditamos que este espírito empreendedor deve ser incutido desde cedo. Ao observarmos a receptividade e criatividade destes alunos, percebemos o quão importante é que as universidades intervenham neste processo».

O responsável acredita  que «há muito potencial nos jovens portugueses» e que «é preciso incentivá-lo, porque há espaço para inovar dentro e fora de Portugal».

Por usa vez, Carlos Santos, diretor do MCMM, mostrou-se agradado com os projetos criados: «O resultado desta parceria ultrapassou a nossa expectativa inicial». O executivo revela ainda que a «experiência na área da indústria e a visão de negócio dos parceiros da Bright Pixel e da Sonae MC permitiram complementar a formação académica da responsabilidade do corpo docente do mestrado, com uma visão e mentoria externa, orientadoras para a criação de startups».

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

Porto Moniz cria incubadora de empresas

A autarquia vai ceder um espaço físico para as empresas puderem desenvolver as suas actividades e ainda acesso a parceiros que permitam a inserção num contexto empresarial.

Como podem as ‘startups’ atrair financiamento? Investidores deixam conselhos

Na maioria dos casos, os empreendedores terão apenas alguns minutos para conseguirem apoio dos investidores. Além de conseguirem explicar o que vão fazer com o investimento, os investidores aconselham os fundadores das ‘startups’ a conhecerem o negócio e o mercado em que operam na ‘ponta da língua’.

Lado humano das ‘startups’ é o que atrai os investidores de Silicon Valley a Lisboa

Da Silicon Valley a Lisboa, os investidores contactados pelo Jornal Económico gostam de apostar nas competências das equipas das startups que, na maioria das vezes, afiguram-se como um investimento de alto risco. Só depois olham paras se debruçam em análises financeiras e estratégicas dos projetos.
Comentários