Brisa desafia estudantes a criar startups

Brisa desafia estudantes e alumni do The Lisbon MBA e do Técnico a criar startups de forma a contribuírem para o aumento do uso da Via Verde.

O Lisbon Entrepreneurship Club, Associação de Empreendedorismo do The Lisbon MBA, lança o LECathon – um programa de aceleração que pretende responder de forma inovadora ao desafio colocado pela Brisa de “aumentar o uso da Via Verde”.

O programa inicia com um Hackathon que terá lugar a 18 e 19 de fevereiro na Universidade Nova de Lisboa e irá reunir alumni e estudantes do The Lisbon MBA e do Instituto Superior Técnico (IST), outro dos parceiros da iniciativa. Ao reunir alunos do The Lisbon MBA e do IST, pretende-se juntar empreendedores com competências de negócio e técnicas de forma a apoiar os esforços da Brisa de inovar na área de mobilidade, através da criação de novas startups.

O LECathon vai incluir três componentes principais, a primeira das quais será um hackathon onde as equipas vão passar dois dias a desenvolver as suas ideias e protótipos, com o apoio dos mentores Tim Vieira (SharkTank), Stewart Noakes (TechHub), entre diversos empreendedores. No final, irão apresentar as suas ideias empreendedoras a um júri que será composto pela Brisa, The Lisbon MBA e IST.

As equipas vencedoras desta primeira fase irão iniciar um período de aceleração de oito a dez semanas, em que terão a oportunidade de desenvolver os seus produtos, contando com a Brisa como seu parceiro de desenvolvimento e primeiro cliente. Contarão também com o apoio de mentores LECathon e uma série de workshops de pré-aceleração. No final deste programa, a Brisa irá escolher um vencedor que irá ganhar uma semana de incubação numa Incubadora Europeia de renome. O objetivo é que a equipa vencedora possa desenvolver o seu protótipo e preparar o lançamento do seu produto e serviço.

 

Recomendadas

Feedzai compra tecnologia biométrica para prevenir fraudes através de mudanças de comportamento (com áudio)

Plataforma adquirida é capaz de analisar “diferenças que encontramos na forma como alguém segura o telefone, a rapidez com que navega numa aplicação bancária ou a forma como digita a sua palavra-passe e prevemos se uma determinada sessão é ou não confiável”.

Startup aposta na segunda vida das calculadoras. Famílias podem adquirir material por metade do preço

“Faz todo o sentido olharmos para este material como uma oportunidade de reutilização, estendendo o seu tempo de vida útil para o qual são realmente produzidas”, explicou Ricardo Morgado ao JE, abordando a segunda vida que as calculadoras podem nas mãos de outros estudantes.

EDP quer apoiar criação de empresas em Sines e Santiago do Cacém

O programa Nau, lançado pela EDP tem como parceiro o o Sines Tecnopolo. O derradeiro objetivo é potenciar um “ecossistema para o desenvolvimento de projetos empresariais ou de criação de emprego próprio, envolvendo ações de formação e consultoria, apoio técnico especializado e incubação de negócios”, refere a EDP.
Comentários