British Airways suspende voos para o Cairo por motivos de segurança

A companhia aérea britânica British Airways anunciou este sábado, 20 de julho, a suspensão dos seus voos para a capital do Egito, Cairo, durante os próximos sete dias, alegando motivos de segurança.

“Estamos constantemente a rever as nossas disposições em matéria de segurança em todos os nossos aeroportos no mundo, e estamos a suspender os voos para o Cairo por sete dias como precaução para permitir uma avaliação mais aprofundada”, disse a companhia britânica num comunicado, citado pelas agências internacionais.

A British Airways não especificou a natureza dos problemas de segurança identificados.

“A segurança e a proteção dos nossos clientes e tripulações são sempre a nossa prioridade e nunca operaríamos um aparelho a menos que fosse seguro fazê-lo”, acrescentou a nota informativa da companhia, também citada pela comunicação social britânica.

Um porta-voz do aeroporto do Cairo disse à estação pública britânica BBC que o aeroporto ainda não tinha sido notificado pela British Airways sobre estas mudanças.

A BBC recordou que o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido atualizou na sexta-feira os conselhos aos cidadãos britânicos que desejem viajar para o Egito.

Entre os conselhos da diplomacia britânica constava o seguinte alerta: “Há um risco elevado de terrorismo contra a aviação. Medidas de segurança adicionais estão em vigor para voos que partem do Egito para o Reino Unido”.

As autoridades britânicas desaconselharam ainda todas as viagens de avião, à exceção de viagens indispensáveis, de e para a estância balnear de Sharm el-Sheikh, na Península do Sinai.

Cerca de 415.000 cidadãos britânicos viajaram para o Egito em 2018, segundo os serviços diplomáticos britânicos.

Ler mais
Recomendadas

Sindicato preocupado com não renovação de contratos a termo na Autoeuropa

“Fala-se em 120 trabalhadores, mas só na quinta-feira teremos, ou não, confirmação destes números. Estamos preocupados porque há centenas de trabalhadores que estão a terminar os contratos a prazo na Autoeuropa”, alertou o SITESUL.

Associação vê “com agrado” proposta de alargamento dos beneficiários da ADSE

A Associação 30 de Julho, que representa os beneficiários, defende que a extensão deverá abranger de imediato os contrato individuais de trabalho das entidades públicas empresariais do Estado, como o SNS e as autarquias.

Bordado Madeira com quebras de entre 30 a 40% na comercialização

Em 2019, a comercialização chegou aos 545 mil euros mas, este ano, a Secretaria Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural, estima que se fique pelos 300 mil euros.
Comentários