PremiumBruno Bobone: “O ministro das Finanças determina o caminho do país e não devia ser assim”

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa transmite a contestação do mundo empresarial em relação à hegemonia das Finanças, reivindicando maior protagonismo à Economia.

Bruno Pinto Basto Bobone preside à Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa desde 2005, e é a oitava geração da sua família a liderar esta estrutura de apoio ao mundo empresarial. Um dos maiores projetos que promoveu foi o estudo “Hypercluster da Economia do Mar”, elaborado sob a orientação do ex-ministro das Finanças, Ernâni Lopes, que veio dar origem ao Fórum Empresarial da Economia do Mar. Esta quinta-feira realizou em Lisboa o ‘Growth Forum 2019’, a primeira iniciativa de um forum empresarial português, com participação de gestores globais, promovida pela CCIP. Entre as “queixas” que dirige ao Governo está a “falta de estratégia para as empresas portuguesas” e a “subjugação da política do Governo à liderança do ministro das Finanças”, que considera “um erro”. Defende maior visibilidade para o ministro da Economia, que é quem “deveria definir uma estratégia para as empresas e para o país”.

O Growth Forum 2019 surgiu para incentivar um aumento da internacionalização das empresas portuguesas?

Surgiu por várias razões. Portugal está neste momento num ponto em que tem que assumir a sua estratégia para o futuro. Estão a ocorrer alterações muito significativas que causam uma instabilidade enorme na nossa relação com a União Europeia, ao mesmo tempo que assistimos ao processo do Brexit, e que a nossa relação com os PALOP também está em evolução. Portanto, é o momento para desenhar uma estratégia, numa altura em que o mercado de Portugal é o mundo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

CMVM aplica multas de 1,175 milhões entre julho e setembro

No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

Lloyd’s com lucros de 783 milhões de euros até setembro. Caem 64% num ano

No acumulado dos nove meses, o banco liderado por António Horta Osório registou lucros de 707 milhões de libras (783 milhões de euros) o que traduz uma queda de 64% face aos nove meses de 2019. Imparidades de 4,119 mil milhões de libras justificam a queda dos resultados líquidos. Mas no terceiro trimestre o banco regressou aos lucros.

Cobertura dos media portugueses à Fórmula 1 gerou 13,1 milhões de euros em três dias

Estima-se que a realização do Grande Prémio de Portugal, em Portimão, gerou um impacto financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. No que respeita à cobertura dos media portugueses, só as televisões geraram 10,9 milhões de euros, segundo uma análise da Marktest.
Comentários