Bruno Fernandes perto da saída. Quanto fica nos cofres de Alvalade?

Bruno Fernandes tem sido um dos jogadores mais cobiçados do futebol português neste mercado de transferências. Depois de no mercado de verão se ter gorado a sua saída para os ingleses do Tottenham, que foram aqueles que mais interesse manifestaram na compra do capitão do Sporting, a ‘janela’ de transferências de inverno volta a abrir-se para Inglaterra, mas desta feita com o Manchester United a parecer o destino mais provável para o médio ‘leonino’.

Com uma cláusula de rescisão no valor de 100 milhões de euros e um contrato válido até 2023, Bruno Fernandes é, de todos os elementos do plantel verde e branco, aquele que pode encher os cofres e tornar-se a maior transferência da história do clube. Quem também sabe isso é o presidente da equipa de Alvalade, Frederico Varandas, que desde o primeiro momento estabeleceu a verba de 70 milhões de euros, como valor mínimo para aceitar negociar o jogador.

Uma verba que poderá ser atingida, mas não com um pagamento apenas em dinheiro. Segundo a imprensa britânica, a proposta dos ‘red devils’ passa por dispender 60 milhões de euros pela compra do passe de Bruno Fernandes, aos quais se juntam mais 10 milhões de euros por objetivos que o jogador venha a cumprir ao serviço do Manchester United e ainda a cedência de um jogador por empréstimo até ao final da presente temporada.

Vender por 70, receber pouco mais de metade

O Sporting sabe que, mesmo vendendo Bruno Fernandes por 70 milhões de euros, irá receber no máximo pouco mais de metade dessa verba. A explicação para isso passa pelas contrapartidas financeiras que o clube tem para com outras entidades.

Partindo do pressuposto que os ‘leões’ vendem o camisola 8 por esse valor, o empresário do jogador, Miguel Pinho, recebe uma comissão de 10% (seis milhões de euros). Verba idêntica será paga aos italianos da Sampdoria, de onde Bruno Fernandes saiu para rumar a Alvalade.

No entanto, a maior fatia vai para a banca, fruto do acordo que o Sporting fez para a sua reestruturação financeira. Ou seja, dos 58 milhões de euros, 20 milhões são entregues à banca, ficando o clube com 38 milhões de euros. Interessará por isso a Frederico Varandas tentar vender o jogador pela maior verba possível.

Desde sempre que Bruno Fernandes mostrou a sua vontade em jogar no campeonato inglês e o Manchester United surgiu como o clube mais interessado na sua contratação. Contudo, no mercado de verão quem entrou em cena foram os londrinos do Tottenham, que tentaram a contratação do médio, mas a proposta, que de acordo com a imprensa desportiva não terá chegado aos 50 milhões de euros, não foi suficiente para convencer o presidente do Sporting.

Em toda esta ‘novela’ em redor do médio surgiu um ‘ator’ que surge em cena sempre que há necessidade de aceder aos melhores clubes do mundo para faturar milhões de euros: Jorge Mendes. O empresário de Cristiano Ronaldo foi autorizado a negociar o jogador e o primeiro nome a surgir no mercado de verão, como potencial interessado em Bruno Fernandes foi o dos espanhóis do Real Madrid.

No entanto, o destino mais provável de Bruno Fernandes deverá ser mesmo o Manchester United. De resto, a grande dúvida que paira neste momento em Alvalade é se o capitão dos ‘leões’ ainda jogará o derby da próxima sexta-feira, frente ao Benfica.

Ler mais
Recomendadas

Bruno Fernandes pode elevar compras do United ao Sporting acima dos 140 milhões de euros

Até ao momento, a ‘fatura’ está nos 64,5 milhões de euros e envolve transferências quase sempre acima dos 20 milhões de euros. Esta quarta-feira, esse valor pode duplicar.

Dos 4,5 aos 55. Os muitos milhões envolvidos na transferência de Bruno Fernandes

Bruno Fernandes vai viajar para Inglaterra já esta quarta-feira, acompanhado pelo seu agente Miguel Pinho. Bruno Fernandes, médio de 25 anos, chegou ao Sporting há dois anos e meio proveniente da Sampdória por um valor de 8,5 milhões de euros, deixando Alvalade com 63 golos em 137 jogos e três troféus: duas Taças da Liga e uma Taça de Portugal.

“Benfica tem um poder inacreditável em África”

Jorge Pessoa e Silva, coordenador d’ “A Bola TV”, veio ao Jogo Económico e fez uma análise daquele que pode ser o processo de internacionalização do clube da Luz. África deve ser tida em conta, realça o jornalista.
Comentários