PremiumBruno Horta Soares: “‘Vem para Lisboa, que é tudo grátis’ é cartão de visita para alguém?”

Apostado em ser o primeiro vereador liberal da capital, o candidato não acredita que Moedas possa derrotar Medina e propõe reduções dos impostos e cortes nos subsídios às empresas municipais.

O consultor Bruno Horta Soares, de 42 anos, tornou-se o candidato da Iniciativa Liberal à Câmara de Lisboa após a desistência de Miguel Quintas. Apresenta como prioridades um choque fiscal e a redução para metade dos subsídios às empresas municipais e aponta como grande objetivo a sua eleição enquanto vereador.

Admite que a sondagem que põe Carlos Moedas a apenas sete pontos de Fernando Medina possa dificultar o objetivo de eleger um vereador liberal em Lisboa?
Estamos conscientes desde o início do problema do voto útil. Mas essa sensação era muito maior quando Carlos Moedas lançou a campanha do que hoje, pois não houve um momento em que tenham passado a acreditar que lhe era possível ficar à frente de Fernando Medina. À medida que nos aproximamos de 26 de setembro, quando nem no PSD acreditam, e já começaram a afiar facas para discutir a liderança, pensamos que, a haver um voto útil, passa por uma visão diferente, que é a da Iniciativa Liberal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Carlos Moedas toma posse como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Veja em direto

O antigo comissário europeu sucede a Fernando Medina na liderança da Câmara Municipal de Lisboa. Veja a tomada de posse em direto.

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.
Comentários