Bruxelas aponta para taxa de desemprego de 6,8% em Portugal este ano (com áudio)

A projeção da Comissão Europeia compara com os 7,3% previstos pelo Governo no Plano de Estabilidade. No ano passado, a taxa de desemprego fixou-se nos 6,8%.

A taxa de desemprego na zona euro deverá atingir os 8,4% este ano, segundo as projeções económicas da Comissão Europeia divulgadas esta quarta-feira, que colocam o indicador para Portugal nos 6,8%.

Segundo o Plano de Estabilidade, apresentado a 15 de abril, o Governo estima que a taxa de desemprego deste ano fique nos 7,3%, acima dos 6,8% com que terminou o ano de 2020. A Comissão prevê, portanto, um cenário mais otimista em relação ao mercado laboral nacional do que o executivo.

Para Bruxelas, o mercado de trabalho português continua a mostrar resiliência, provando a eficácia das medidas de preservação do emprego. Como exemplo, o relatório menciona o efeito limitado do último confinamento no desemprego e nos registados em centros de emprego. Ainda assim, houve um significativo decréscimo nas horas trabalhadas, algo consistente com uma subutilização do trabalho, a característica mas visível desta crise no mercado de trabalho.

A Comissão estima um retorno do emprego e da taxa de desemprego aos níveis pré-pandémicos em 2022, perante a melhoria da atividade económica.

O cenário não é muito diferente para a zona euro como um todo, apesar dos níveis mais altos de desemprego estimados para a economia europeia do que para a portuguesa. O relatório de previsões macro salienta a eficácia das medidas de preservação de postos de trabalho na generalidade dos Estados-membros, mas reconhece que a contratação de novos trabalhadores não deverá acelerar por enquanto, dado que “há margem para aumentar as horas trabalhadas” antes de um aumento do emprego.

Assim, a taxa deverá aumentar em 2021 para 8,4% antes de começar a recuar, prevendo Bruxelas 7,8% em 2022. O resultado é ligeiramente mais otimista na análise a toda a União Europeia, para a qual o relatório antecipa 7,6% este ano, seguido de 7,0% em 2022.

Na sua última projeção para este indicador, publicada no relatório de outono, Bruxelas apontava para 9,4% de desemprego na zona euro em 2021. Já no que respeita a Portugal, a taxa de desemprego era vista nos 7,7% em 2021.

Relacionadas

Bruxelas revê em alta. Economia da zona euro deverá expandir 4,3% em 2021

O investimento público, como proporção do PIB, deve atingir o nível mais alto em mais de uma década em 2022, afirmou a Comissão Europeia, adiantando que nesse ano a economia da zona euro deverá expandir 4,4%.

Comissão Europeia projeta défice de 4,7% para Portugal em 2021, acima da previsão do Governo (com áudio)

Bruxelas atualizou as suas previsões económicas para 2021, antecipando agora um cenário ligeiramente distinto do elaborado em outubro, quando o défice era visto a chegar aos 4,5% do PIB e a dívida pública a atingir 130,3%. No Plano de Estabilidade apresentado em abril, o Governo inscreveu um défice de 4,5% e um rácio de dívida pública de 128%.

Bruxelas vê a economia portuguesa a expandir 3,9% este ano e a acelerar 5,1% em 2022

A projeção compara com os 4,1% previstos por Bruxelas em fevereiro, e com a expansão de 4% que Governo inscreveu no Plano de Estabilidade. A Comissão Europeia vê a economia a crescer 5,1% em 2022, mas salienta que os riscos permanecem inclinados para o lado negativo devido à elevada dependência do turismo estrangeiro.
Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários