Bruxelas apresenta hoje recomendações atualizadas para livre circulação na União Europeia

A Comissão Europeia vai apresentar esta quinta-feira recomendações atualizadas sobre a livre circulação na União Europeia (UE), devido ao aumento acentuado de casos de covid-19, propondo uma “abordagem baseada na pessoa”, sem quarentenas para vacinados.

Em conferência de imprensa pelas 12:30 (hora local, menos uma em Lisboa), o comissário europeu da Justiça, Didier Reynders, vai então apresentar uma recomendação sobre a livre circulação, numa altura em que a situação epidemiológica da covid-19 na UE é considerada pelos especialistas como de risco muito elevado devido à baixa taxa geral de vacinação e à rápida propagação da variante Delta do SARS-CoV-2.

Fonte comunitária explicou à agência Lusa que “não haverá grandes mudanças” face ao que está já estipulado relativamente à salvaguarda da livre circulação na UE, avançando então Bruxelas com “a mesma abordagem que no passado, mas atualizando algumas partes”, como a criação de uma “abordagem baseada na pessoa”, para assegurar viagens seguras.

Esta abordagem estará baseada no certificado digital da UE, comprovativo da testagem (negativa), vacinação ou recuperação do vírus SARS-CoV-2, que entrou em vigor na UE no início de julho, visando então que quem viaje com um documento válido não seja alvo de restrições como quarentenas.

Os não vacinados deverão, ainda assim, passar a ser submetidos a mais testes, rejeitando a Comissão Europeia medidas específicas para esta população (como foi imposto na Áustria ou Alemanha).

Proposta pela Comissão Europeia será também a inclusão, no certificado, de informações sobre doses de reforço de vacinas contra a covid-19, quando vários países europeus já a estão a administrar a populações mais vulneráveis, como idosos ou imunodeprimidos, prevendo alguns alargar depois ao resto da população adulta.

Previsto está ainda que, nas orientações divulgadas na quinta-feira, a Comissão Europeia proponha uma redução das isenções de quarentena quando estas são justificadamente aplicadas pelos países, bem como alterações nos mapas que servem de apoio às decisões nacionais sobre viagens na UE.

Estes mapas, que são atualizados semanalmente pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), às quintas-feiras, incluem as taxas de notificação de casos de covid-19 nos últimos 14 dias, o número de testes realizados e o total de positivos, mas Bruxelas quer aqui incluir também as taxas de vacinação.

Dados do ECDC revelam que, até ao momento, 65,7% da população da UE está totalmente vacinada, havendo porém grandes discrepâncias na cobertura vacinal entre os países, que varia entre os 24,5% de taxa de vacinação total na Bulgária e os 81,5% em Portugal.

Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários