Bruxelas aprovou financiamento de 60 milhões ao Sistema de Mobilidade do Mondego

Este projeto para operar um ‘metrobus’ a baterias elétricas no antigo ramal ferroviário da Lousã tem investimento elegível total no montante de mais de 89 milhões de euros. Os concursos das últimas empreitadas deverão ser lançados este ano.

Cristina Bernardo

A Comissão Europeia aprovou hoje, dia 15 de janeiro, o ‘Grande Projeto do Sistema de Mobilidade do Mondego’, tendo decidido financiar o mesmo com 60 milhões de euros do Fundo de Coesão.

“A Comissão Europeia aprovou a contribuição financeira comunitária no âmbito do POSEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos) para o ‘Grande Projeto Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM)’, revela uma nota do Ministério das Infraestruturas e da Habitação (MIH).

Segundo a nota, “a esta aprovação corresponde a atribuição de um apoio do Fundo de Coesão no valor de 60 milhões de euros e um investimento elegível total no montante de mais de 89 milhões de euros”.

“O ‘Sistema de Mobilidade do Mondego’ consiste na implementação de um Metrobus, utilizando veículos elétricos a baterias, que irão operar no antigo ramal ferroviário da Lousã e na área urbana de Coimbra, ligando Serpins, Lousã e Miranda do Corvo a Coimbra, constituindo-se como o futuro sistema de mobilidade da região, com elevados níveis de segurança, rapidez e conforto”, assegura o comunicado do ministério liderado por Pedro Nuno Santos.

De acordo com o MIH, o SMM tem como principais objetivos “promover a mobilidade sustentável, através da implementação de um serviço de mobilidade atrativo e competitivo, operado por autocarros elétricos, conduzindo à transferência modal para um modo de transporte energeticamente mais eficiente e com menores emissões”.

“Reforçar a intermodalidade do sistema de transportes da região de Coimbra, criando condições de integração física, bilhética e tarifária; e promover a ligação dos municípios de Lousã e Miranda do Corvo ao centro urbano de Coimbra sem transbordo, com condições de segurança e fiabilidade, reforçando a integração económica e social do território”, são outros objetivos pretendidos como SMM.

O Ministério das Infraestruturas adianta que, “das quatro empreitadas que integram o projecto do SMM, está em curso a obra do troço entre Serpins, na Lousã, e o Alto de S. João, em Coimbra e decorre o concurso da empreitada do troço Alto de S. João/Portagem”.

“Os concursos das empreitadas dos restantes troços (Portagem/Coimbra B e Linha do Hospital) serão lançados durante 2021”, garante o mesmo comunicado.

Ler mais
Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

TAP. Ratificação dos acordos com pilotos e tripulantes era “passo crucial”, diz o Governo

“Porque estes acordos representam um compromisso muito firme de todos com o futuro da companhia, dão ainda mais credibilidade ao plano de reestruturação que o Estado português continuará a negociar com a Comissão Europeia ao longo das próximas semanas”, sublinhou o Ministério das Infraestruras e da Habitação.

Serviços postais caem 12,4% mas tráfego de encomendas dispara 20% em 2020

Tráfego total dos serviços postais caiu 12,4% em 2020, uma quebra que “está associada aos efeitos da pandemia da Covid-19” e que foi “mais expressiva” do que o recuo verificado em 2019 (-6,7%). A pandemia terá tido “um impacto direto, negativo, de 9,8% no tráfego postal total”.
Comentários