Bruxelas não vai punir França por ultrapassar os 3% do défice em 2019

Numa entrevista à emissora de rádio “RTL”, o francês Pierre Moscovici insistiu que as regras europeias estabelecem que o limite de 3% pode ser excedido, mas sem chegar a 3,5% e também “com a condição de que seja de forma limitada, temporária e excecional”.

O comissário europeu para os Assuntos Económicos disse esta terça-feira que a França não será sancionada se o défice público ultrapassar os 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, mas pediu que o Governo “seja sério no futuro”.

Numa entrevista à emissora de rádio “RTL”, o francês Pierre Moscovici insistiu que as regras europeias estabelecem que o limite de 3% pode ser excedido, mas sem chegar a 3,5% e também “com a condição de que seja de forma limitada, temporária e excecional”.

Isto significa, em particular, que não exceda a 3% em dois anos consecutivos para evitar o procedimento por défice excessivo.

O primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, reconheceu que as medidas a favor do poder de compra anunciadas pelo Presidente, Emmanuel Macron, para tentar encerrar os protestos dos “coletes amarelos”, vão fazer aumentar o défice orçamental em 2019 de 2,8% do PIB inicialmente previsto para 3,2%.

Com estes números, “a França será o único país” da zona euro que superará os 3%, disse Moscovici, que também observou que a dívida pública é de quase 100% do PIB, fazendo com que as projeções atuais para o próximo ano cresçam.

Por isso, insistiu que a partir de 2020 convém reduzir o défice para 3%.

“Não haverá, em absoluto, sanções, mas pedimos a França que seja séria para o futuro”, disse Moscovici.

Quanto às queixas do vice-presidente do Governo italiano, Matteo Salvini, que diz que o seu país não é tratado como a França nesta questão, o Comissário Europeu negou tal afirmação.

“Não há alguma indulgência com Paris, nem injustiça com Roma”, disse Moscovici, depois de ser dito que a situação em Itália é diferente porque o seu Governo está a lançar uma política de relançamento do gasto que vai durar três anos e, acima de tudo, porque a sua dívida pública já gira em torno de 130% do PIB.

De qualquer maneira, Moscovici enfatizou que está “a trabalhar arduamente (…) de modo que a Itália não seja punida”, para tanto, está em contacto permanente com o seu ministro das Finanças o e seu primeiro-ministro.

Ler mais
Relacionadas

Governo francês quer défice próximo de 3%

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, assegurou esta quarta-feira que pretende que o défice se aproxime “o mais possível de 3%” do Produto Interno Bruto (PIB), apontando alternativas para compensar as medidas sociais anunciadas pelo presidente Emmanuel Macron.

Respostas Rápidas. Macron está a agradar aos ‘coletes amarelos’ e a comprometer o défice?

A Bloomberg fala de um impacto que pode chegar aos 10 mil milhões de euros, o que implica mais 0,6 pontos percentuais de défice orçamental – o que, a verificar-se, levaria o país a furar o teto de 3% do défice, atirando para uns estratosféricos 3,4%, em vez dos programados 2,8%.
Recomendadas

easyJet estabelece acordo de ‘code share’ com Cathay Pacific

Com o acordo hoje, dia 21 de janeiro, anunciado, a partir das próximas semanas, os clientes da easyJet poderão voar para Hong Kong a partir do aeroporto de Gatwick (Londres).

Governo já sabia de irregularidades na CGD? Se sim, “é grave”, aponta Rui Rio

“Eu não quero acreditar que, no quadro de todos aqueles valores que ali estão, possa ter sido tudo concedido, todo aquele crédito possa ter sido concedido de uma forma clara e limpa, que não mereça uma investigação”, disse Rui Rio aos jornalistas, na sede nacional do partido, em Lisboa.

Custa 336 euros e garante alimentação para um mês. Esta é a ‘Brexit box’

Concebido e comercializado pela empresa Emergency Food Storage, o pacote inclui 60 receitas que podem ser consumidas nos próximos 25 anos
Comentários