Bruxelas não vai punir França por ultrapassar os 3% do défice em 2019

Numa entrevista à emissora de rádio “RTL”, o francês Pierre Moscovici insistiu que as regras europeias estabelecem que o limite de 3% pode ser excedido, mas sem chegar a 3,5% e também “com a condição de que seja de forma limitada, temporária e excecional”.

O comissário europeu para os Assuntos Económicos disse esta terça-feira que a França não será sancionada se o défice público ultrapassar os 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, mas pediu que o Governo “seja sério no futuro”.

Numa entrevista à emissora de rádio “RTL”, o francês Pierre Moscovici insistiu que as regras europeias estabelecem que o limite de 3% pode ser excedido, mas sem chegar a 3,5% e também “com a condição de que seja de forma limitada, temporária e excecional”.

Isto significa, em particular, que não exceda a 3% em dois anos consecutivos para evitar o procedimento por défice excessivo.

O primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, reconheceu que as medidas a favor do poder de compra anunciadas pelo Presidente, Emmanuel Macron, para tentar encerrar os protestos dos “coletes amarelos”, vão fazer aumentar o défice orçamental em 2019 de 2,8% do PIB inicialmente previsto para 3,2%.

Com estes números, “a França será o único país” da zona euro que superará os 3%, disse Moscovici, que também observou que a dívida pública é de quase 100% do PIB, fazendo com que as projeções atuais para o próximo ano cresçam.

Por isso, insistiu que a partir de 2020 convém reduzir o défice para 3%.

“Não haverá, em absoluto, sanções, mas pedimos a França que seja séria para o futuro”, disse Moscovici.

Quanto às queixas do vice-presidente do Governo italiano, Matteo Salvini, que diz que o seu país não é tratado como a França nesta questão, o Comissário Europeu negou tal afirmação.

“Não há alguma indulgência com Paris, nem injustiça com Roma”, disse Moscovici, depois de ser dito que a situação em Itália é diferente porque o seu Governo está a lançar uma política de relançamento do gasto que vai durar três anos e, acima de tudo, porque a sua dívida pública já gira em torno de 130% do PIB.

De qualquer maneira, Moscovici enfatizou que está “a trabalhar arduamente (…) de modo que a Itália não seja punida”, para tanto, está em contacto permanente com o seu ministro das Finanças o e seu primeiro-ministro.

Ler mais

Relacionadas

Governo francês quer défice próximo de 3%

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, assegurou esta quarta-feira que pretende que o défice se aproxime “o mais possível de 3%” do Produto Interno Bruto (PIB), apontando alternativas para compensar as medidas sociais anunciadas pelo presidente Emmanuel Macron.

Respostas Rápidas. Macron está a agradar aos ‘coletes amarelos’ e a comprometer o défice?

A Bloomberg fala de um impacto que pode chegar aos 10 mil milhões de euros, o que implica mais 0,6 pontos percentuais de défice orçamental – o que, a verificar-se, levaria o país a furar o teto de 3% do défice, atirando para uns estratosféricos 3,4%, em vez dos programados 2,8%.
Recomendadas

OE2021: Aprovada proposta para pagamento em prestações de IVA e IRC até 15 mil euros

A medida aplica-se apenas a tributos cujo valor no momento do requerimento e a pagar em prestações seja inferior a 15.000 euros.

Aprovada proposta que remete concurso do ‘IVAucher’ para fiscalização à posteriori do TdC

Em causa está um mecanismo, apelidado de ‘IVAucher’, que permite ao consumidor final acumular o valor correspondente à totalidade do IVA suportado em consumos nos setores do alojamento, cultura e restauração, durante um período (12 semanas) e utilizar esse valor, durante as 12 semanas seguintes, em consumos nesses mesmos setores.

Receita fiscal do Estado com quebra homóloga de 2,8 mil milhões até outubro

Esta evolução da receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado, assinala a DGO, reflete de forma evidente os efeitos da pandemia de covid-19.
Comentários