Bruxelas pede a Londres que resolva disputa de pescas com França até 10 de dezembro

A França reclama mais licenças de pesca de Londres e a Ilha do Canal de Jersey como parte do acordo pós-‘Brexit’ assinado no final de 2020.

A Comissão Europeia pediu esta quarta-feira a Londres que resolva até 10 de dezembro a disputa pós-‘Brexit’ sobre licenças de pesca com a França, anunciou um dos porta-vozes do organismo europeu.

“O Comissário Virginijus Sinkevicius (Ambiente e Pescas) falou hoje com o Ministro (britânico) George Eustice e insistiu que as disputas sobre as licenças de pesca sejam concluídas até 10 de dezembro”, indicou o porta-voz.

“Em relação aos navios de substituição e às águas de Guernsey, continuam os trabalhos para encontrar uma solução até ao final do mês”, acrescentou.

A França aumentou o tom e pediu à Comissão Europeia para que fosse “mais ativa” de forma a resolver esta disputa.

“O espaço de diálogo deve ter um prazo e esse prazo deve ser dado pela Comissão ao Reino Unido”, declarou a ministra francesa do Mar, Annick Girardin.

A França reclama mais licenças de pesca de Londres e a Ilha do Canal de Jersey como parte do acordo pós-‘Brexit’ assinado no final de 2020.

Os pescadores europeus podem continuar a trabalhar nas águas do Reino Unido, desde que possam provar que lá pescaram anteriormente, no entanto os franceses e os britânicos discutem sobre a natureza e a extensão dos documentos comprovativos a serem fornecidos.

No total, desde 1 de janeiro de 2021, a França obteve “mais de 960 licenças” para pescar nas águas britânicas e nas ilhas do Canal, mas Paris ainda pede mais de 150 autorizações, segundo o Ministério do Mar francês.

Londres, por seu turno, estima ter concedido 98% das licenças solicitadas.

Na zona de 6 a 12 milhas náuticas da costa britânica, o processo é tenso para 40 barcos (mais de 12 metros) que foram lançados recentemente para substituir navios antigos. Londres recusa-se, por agora, a dar-lhes licença, considerando serem novos pedidos por se tratar de navios mais modernos e muitas vezes mais potentes.

A França quer que a situação de cerca de trinta navios, considerados de “alta prioridade”, seja resolvida com urgência, porque realizam grande parte das suas capturas nestas águas britânicas a que já não têm acesso.

Guernsey, por sua vez, concedeu apenas licenças provisórias e 58 pedidos estão pendentes.

Mas Guernsey, que renova as autorizações provisórias todos os meses, é considerado por Paris como “um parceiro confiável” nas negociações.

“Cerca de quarenta licenças definitivas” devem ser concedidas até o início de dezembro, anunciou a ministra francesa do Mar, Annick Girardin, a 18 de novembro.

Recomendadas

Rio de Janeiro cancela festas da passagem de ano por causa da Covid-19

O Rio de Janeiro soma-se assim a outras 21 capitais regionais do Brasil, como São Paulo, a cidade mais populosa do país, que já decidiram cancelar as festas previstas para o fim do ano. O Brasil é um dos três países do mundo mais atingidos pela pandemia da covid-19, que já matou mais de 615 mil pessoas no país e infetou mais de 22,1 milhões.

Covid-19: Irlanda encerra discotecas e anuncia novas restrições para fazer face à variante Ómicrom

O Governo irlandês anunciou esta sexta-feira novas restrições para conter a disseminação da nova variante Ómicron da covid-19, que incluem o encerramento de discotecas ou o distanciamento social em alguns locais.

Secretas dos Estados Unidos esperam invasão russa da Ucrânia em 2022

As tensões começaram a crescer nas últimas semanas, perante o rumor de um novo ataque contra a Ucrânia pela Rússia, acusada de ter concentrado cerca de 94 mil soldados na fronteira.
Comentários