Bruxelas pergunta a Putin porque razão quer vender a sua vacina para o estrangeiro antes de vacinar todos os russos

A Rússia surge na 59ª posição dos países que mais vacinam os seus cidadãos, abaixo da 43ª posição ocupada pela União Europeia. A Hungria já aprovou o uso da vacina russa e mais países da UE poderão dar luz verde à Sputnik V, mas Bruxelas não vê com bons olhos a diplomacia sanitária de Moscovo, pois a vacina ainda não foi submetida à autorização pela Agência Europeia do Medicamento.

Reuters

Bruxelas considera que Vladimir Putin deve explicar porque é que está se está a oferecer para vender milhões de doses da sua vacina a países europeus, numa altura em que a maioria da sua população não foi vacinada.

“Devo dizer que nos questionamos porque é que a Rússia está a oferecer teoricamente milhões e milhões de doses enquanto não está a progredir suficientemente na vacinação dos seus cidadãos”, disse a presidente da Comissão Europeia na quarta-feira, 17 de fevereiro. “Esta é uma pergunta que deve ser respondida”, afirmou, citada pelo Politico.

Ursula von der Leyen avançou que ainda não foi submetida qualquer candidatura da Sputnik à aprovação da Agência Europeia do Medicamento (EMA).

A Hungria foi o primeiro país membro da União Europeia a aprovar a vacina russa Sputnik V. Budapeste já comprou dois milhões de doses para vacinar um milhão de pessoas e a vacinação com a Sputnik arrancou a 12 de fevereiro.

Também a Croácia e a Eslováquia já expressam o seu interesse em aprovar o uso da vacina russa, o que já levou membros do Parlamento Europeu a pedirem mais escrutínio sobre estes acordos individuais com Moscovo.

Ursula von der Leyen avisou ontem que, para ver a sua vacina aprovada, a Rússia teria de permitir inspeções nos seus locais de produção e submeter todos os dados disponíveis sobre a Sputnik V para serem avaliados para as autoridades europeias.

Com o plano de vacinação europeu atrasado, e atrás do ritmo alcançado nos Estados Unidos ou Reino Unido, há vozes que defendem que Bruxelas deveria começar a olhar para as vacinas produzidas na Rússia ou China.

Como no caso da Hungria, os países podem aprovar unilateralmente o uso de vacinas no seu território.

A nível mundial, a Rússia surge na 59ª posição dos países que mais vacinaram, com 2,67 pessoas vacinadas por cada 100 pessoas, segundo os dados da Our World in Data. Uma posição acima surge a China (58ª) com 2,82 pessoas vacinadas em cada 100.

A União Europeia surge acima (43ª posição) com 5,07 pessoas vacinadas em cada 100. Portugal regista a 37ª posição com 5,07 pessoas vacinadas em cada 100.

Gibraltar lidera este ranking com 78,30 pessoas vacinas em cada 100, seguido de Israel (78,09 pessoas) e as Seicheles (56,92 pessoas).

Ler mais

Recomendadas

Bruxelas divulga previsões económicas da primavera ainda em cenário de pandemia

Relativamente a Portugal, a Comissão antecipava em fevereiro passado um crescimento do PIB no corrente ano de 4,1% – uma forte revisão em baixa face às projeções de novembro do ano passado, de 5,4% -, tendo, em contrapartida, revisto em alta a expectativa de crescimento para 2022, de 3,5 para 4,3%.

Recuperação e inflação devem levar Portugal a pagar mais para emitir dívida a 10 e 15 anos

A ultima venda de OT a 10 anos foi através de um sindicato bancário, a 7 de abril, com a instituição liderada por Cristina Casalinho a pagar 0,30% para emitir quatro mil milhões de euros, mas entretanto as ‘yields’ têm vindo a subir devido à expectativas sobre a inflação e sobre o programa de compra de ativos do BCE.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta quarta-feira

Esta terça-feira vai estar em destaque os leilões de Obrigações do Tesouro da IGCP (Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública), com um montante indicativo global entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros.
Comentários