Bruxelas promove projeto para “papel internacional mais forte” do euro face ao dólar

União Europeia pretende fazer frente às políticas de Donald Trump. Uma das medidas passa por uma maior pressão política para que os contratos no setor da energia sejam denominados na moeda única.

Alessandro Bianchi/Reuters

A União Europeia quer que o euro tenha um “papel internacional mais forte” para fazer ao domínio do dólar, numa tentativa de desafiar as políticas do presidente norte-americano Donald Trump. Este projeto passa por aumentar o uso do euro em “setores estratégicos” c0mo a energia, segundo revela o “Financial Times” esta terça-feira.

A Comissão Europeia vai publicar o projeto esta quarta-feira e de acordo com um ‘rascunho’ ao qual o “FT” teve acesso, Bruxelas irá focar a necessidade de agir diante dos “desafios recentes” ao modelo de “governance e comércio baseados nas regras internacionais”, numa clara alusão às políticas comerciais agressivas do Governo de Donald Trump.

Este projeto passa também por exiger uma maior pressão política para que os contratos de energia sejam denominados na moeda única, defendendo também a canalização de negócios financeiros denominados em euros através de plataformas registadas e o incentivo ao desenvolvimento de um sistema de pagamentos da UE.

Bruxelas quer que as capitais da UE garantam que os contratos concluídos “no âmbito dos acordos intergovernamentais de energia” sejam denominados em euros. Mais de 80% das importações de energia da União Europeia são pagas em dólares americanos.

A União Europeia tem vindo a lutar para contornar as sanções dos Estados Unidos ao Irão, com planos apoiados pela França para criar um “veículo de propósito especial” que enfrente as dificuldades práticas, incluindo a relutância dos países em sediá-lo.

Estes planos de Bruxelas incluem ainda o alargamento no âmbito de regras que exigem que alguns contratos de derivados sejam negociados através de plataformas conhecidas como câmaras de compensação, de modo a promover a criação de reservas líquidas de títulos denominados em euros.

As propostas deverão ser discutidas pelos líderes da UE numa reunião em Bruxelas no final de dezembro.

Ler mais

Recomendadas

Subida do salário mínimo? “É prematuro assumir qualquer valor como definitivo”, diz Governo

A resposta surge depois de ser noticiado um eventual aumento de 40 euros. “A definição anual da atualização do SMN segue os procedimentos habituais, sendo objeto de discussão em sede de concertação social e com as estruturas sindicais”, explicam os ministérios das Finanças, Trabalho e Administração Pública.

PremiumJoão César das Neves: “Temos de pôr dinheiro no bolso das pessoas”

O economista César das Neves diz que o Plano de Recuperação é o “do costume”, dedicado a construção e burocracia, que se irá traduzir num “crescimento medíocre”. Defende a extensão das moratórias e alerta para o desafio da solvabilidade das empresas.

OMS denuncia desigualdades nas vacinas. Países ricos receberam 81% das doses (com áudio)

Enquanto que os países mais ricos já receberam mais de 80% das vacinas, os países com menores rendimentos só acumularam 0,3% das doses.
Comentários