Bruxelas quer esclarecimentos de Centeno sobre limite de despesa no OE2019

Comissão Europeia remeteu carta ao Governo português a solicitar esclarecimentos.

Cristina Bernardo

A Comissão Europeia solicitou hoje ao Governo português clarificações sobre a proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano (OE2019), manifestando inquietação com o aumento de 3,4% da despesa pública primária e um esforço estrutural abaixo do recomendado.

Um dia depois de o primeiro-ministro, António Costa, ter afirmado, em Bruxelas, que não ficaria surpreendido com uma nova carta da Comissão na sequência da apresentação do projeto orçamental, comentando que tal “é um clássico”, o executivo comunitário enviou efetivamente uma missiva, dirigida ao secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, a pedir clarificações até ao final da próxima segunda-feira, de forma a elaborar o seu parecer sobre o OE2019.

Além de Portugal, também Bélgica, França, Itália, Eslovénia e Espanha receberam pedidos de esclarecimentos de Bruxelas sobre os respetivos planos orçamentais para o próximo ano, sendo o caso mais complexo o de Itália, que já recebera na quinta-feira a carta “em mão”, por ocasião de uma deslocação do comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, a Roma.

Na carta hoje enviada a Lisboa, já publicada no sítio de Internet da Comissão Europeia, o executivo comunitário aponta que o projeto orçamental de Portugal, que chegou a Bruxelas na passada terça-feira, prevê uma taxa de crescimento nominal da despesa pública primária de 3,4%, “o que excede o aumento máximo recomendado de 0,7%”.

Além disso, aponta a Comissão, o esforço estrutural previsto para 2019 é de 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB), mas, de acordo com os cálculos dos serviços da Comissão, quedar-se-á pelos 0,2%, em qualquer dos casos “abaixo dos 0,6% do PIB exigido pela recomendação do Conselho de 13 de julho”.

“Gostaríamos assim de receber mais informação sobre a composição precisa do esforço estrutural e desenvolvimentos de despesa previstos no plano orçamental para ver como prevenir o risco de um desvio significativo do ajustamento orçamental tanto em 2019, como na combinação de 2018 e 2019”, lê-se.

A Comissão pede uma resposta até ao final do dia da próxima segunda-feira, 22 de outubro, de modo a poder preparar o seu parecer final sobre o projeto orçamental, que divulgará em novembro.

Na quinta-feira, questionado – à margem de uma cimeira europeia – sobre a possibilidade de o Governo receber nova carta de Bruxelas com pedidos de esclarecimentos sobre a proposta de OE2019, como sucedeu nos três anos anteriores, António Costa afirmou-se perfeitamente tranquilo, indicado que se tal fosse o caso voltaria a ter o “prazer” de demonstrar que o Governo estava certo.

“O recebermos cartas é um clássico. Se recebermos, não ficarei surpreendido, mas terei, aliás, mais uma vez prazer de demonstrar no final do ano que nós estávamos certos e que a Ecofin (direção-geral de Economia e Finanças da Comissão) eventualmente estará errada. Pode ser que não tenham dúvidas desta vez”, afirmou António Costa.

“Já estamos habituados a receber cartas. As cartas, felizmente, têm evoluído bastante no seu conteúdo. A primeira, em 2016, dizia que a Comissão não aceitava aquele orçamento, porque aquele orçamento violava as regras. Depois foram cartas que punham em causa as nossas previsões e assinalavam que havia um risco significativo de virmos a violar as regras”, recordou.

No entanto, sustentou, “felizmente, em três anos consecutivos”, o Governo conseguiu sempre provar “pelos resultados” que as suas previsões “estavam certas e da Ecofin estavam erradas”, e que, “ao contrário dos receios, de que haveria desvios, houve sempre cumprimento das regras”.

Na proposta de OE2019, o Governo português mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano.

O projeto orçamental estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB.

A proposta de Orçamento do Estado para 2019 será votada na generalidade, na Assembleia da República, no próximo dia 30, estando a votação final global agendada para 30 de novembro.

Relacionadas

Premium“Centeno não vai deixar uma vida fácil ao sucessor”, alerta porta-voz do PSD para as Finanças

Joaquim Miranda Sarmento, professor universitário e porta-voz do PSD para a área das Finanças, defende que este Orçamento é “eleitoralista e facilitista”, com um “excesso de otimismo” que desprotege o país face aos riscos.

Prós e contras do Orçamento

A proposta de Orçamento do Estado para 2019 é tão eleitoralista como todos os orçamentos em anos de eleições, seja qual for o Governo em funções.
Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários