PremiumBruxelas recusa-se a deixar cair caso do procurador europeu

Ministra da Justiça vai ser ouvida no Parlamento Europeu a 4 de fevereiro. Eurodeputados querem novas explicações e contam com apoio da Provedoria.

O primeiro-ministro, António Costa, garante que a nomeação do magistrado José Guerra para procurador europeu é “assunto encerrado”, mas em Bruxelas a opinião é outra. Três dos cinco maiores grupos políticos com assento no Parlamento Europeu recusam-se a ceder à pressão da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE) para arquivar o caso e garantem ao Jornal Económico (JE) que irão até “às últimas instâncias” para apurar responsabilidades, com a aprovação da Provedoria de Justiça Europeia.

O JE sabe que a ministra da Justiça, Francisca van Dunem, foi convidada a participar na próxima terça-feira, dia 26, numa reunião no Parlamento Europeu onde a polémica nomeação de José Guerra será novamente trazida a debate. Em causa está a apresentação de dados falsos sobre o magistrado escolhido para a Procuradoria Europeia a Bruxelas, depois de um júri europeu ter escolhido a magistrada Ana Carla Almeida como melhor para o cargo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumSob pressão, Rui Rio leva PRR e temas económicos para campanha das autárquicas

Pressão do partido e até externa por parte das associações empresariais e de Marcelo, levalíder do PSD a apostar em oposição em matérias económicas já na campanha para as autárquicas. Esquerda remete para o pós-eleições as negociações para o OE.

PremiumMontepio e BNI retomam negociações para venda do Finibanco Angola

O Banco Montepio – que se prepara para apresentar uma redução dos prejuízos semestrais para cerca de 30 milhões, apurou o JE – poderá ficar com 9,9% do Finibanco Angola depois da venda ao BNI.

Premium“Não prevemos um agravamento significativo do malparado com o fim das moratórias”, refere CEO do Santander Totta

O Santander Totta apresentou resultados no semestre de 81,4 milhões, a recuarem 53%. CEO explica como irá subir a rentabilidade, que é de 3,5%.
Comentários