Bruxelas só consegue garantir 10% do material hospitalar em falta, revela documento oficial

As necessidades dos hospitais de todos os Estados-membros superam a atual capacidade de abastecimento na zona comunitária. Os canais de produção e fornecimento para ventiladores e material hospitalar de proteção vão ter de ser reforçados para evitar um colapso no sistema de saúde.

A União Europeia deverá precisar de dez vezes mais material e equipamento sanitário e higiénico para combater o surto do coronavírus que assola os 27 estados-membros, informa um documento oficial da Comissão Europeia a que a agência Reuters teve acesso.

O documento, que data o dia de hoje, 25 de março 2020, informa que o bloco europeu tem sentido um défice de recursos (entre ventiladores, luvas, óculos de proteção, máscaras cirúrgicas e fatos de proteção) desde de que foram registados os primeiros casos de Covid-19 no continente.

Mas apesar dos esforços “a disponibilidade e fornecimento de equipamentos protetores e pessoais e outros materiais médicos, especialmente ventiladores, por toda a Europa continua a ser preocupante”, informa o documento citado pela agência.

“As estimativas internas da Comissão mostram que o fornecimento” tradicional “só poderá responder a 10% da procura”, frisou. Esta é a primeira vez que a falta de material essencial para combater o vírus altamente contagioso é quantificado.

A notícia surge depois de Ursula von der Leyen ter anunciado ao jornal espanhol “El País” que o concurso público levado a cabo pela Comissão Europeia (CE) para a compra de material de proteção para os hospitais gerou propostas suficientes para encher o stock em 25 países da União Europeia (UE)

Ursula von der Leyen diz que compra de material de proteção “superou as necessidades”

A escassez de equipamentos médicos tem expondo os profissionais de saúde a riscos mais altos de contágio, que, por sua vez, coloca em risco pacientes que podem ser infectados por médicos ou enfermeiros.

Em Itália e em Espanha, os dois países da UE mais afetados até agora pela epidemia, mais de 5.000 equipas médicas foram infectadas, segundo dados oficiais divulgados na terça-feira. Isso colocou o número de casos confirmados entre trabalhadores médicos em quase 9% do total de casos registados em Itália e mais de 13% no país vizinho, embora os médicos tenham maior acessibilidade para serem testados do que a população em geral.

O documento da Comissão informa também que a maioria dos Estados-Membros possui stocks limitados e capacidade limitada para aumentar a produção de equipamentos médicos, expondo-os a uma escassez de o equipamento essencial caso não seja importado rapidamente.

Ler mais
Relacionadas

Ursula von der Leyen diz que compra de material de proteção “superou as necessidades”

Ursula von der Leyen garante que os 25 países da União Europeia vão conseguir abastecer o stock de produtos sanitários perante o agravamento da pandemia causada pelo novo coronavírus.

Ministros das Finanças europeus apoiam suspensão da disciplina orçamental proposta por Bruxelas

O Ecofin justifica que a suspensão temporária das regras de disciplina orçamental, proposta pela Comissão Europeia , irá garantir a flexibilidade necessária para que os países tomem as medidas “necessárias para apoiar os sistemas de saúde e proteção civil” e para “proteger as economias”.
Recomendadas

Parlamento quer ouvir Miguel Frasquilho sobre lay-off da TAP a 14 de abril

Assembleia da República aprovou por unanimidade a proposta do Bloco de Esquerda para ouvir o presidente do Conselho de Administração “com carácter de urgência” da TAP sobre a situação atual da empresa e a política laboral e comercial.

De reuniões a aulas escolares. Zoom atrai 200 milhões de utilizadores durante pandemia

O total máximo de utilizadores anteriores tinha sido de 10 milhões, segundo o fundador da plataforma, Eric Yuan, assumindo à ‘Reuters’ que continua a desfazer as preocupações mundiais relativamente à privacidade da plataforma.

Covid-19 é “ira de Deus”, diz conselheiro de partido da Irlanda do Norte

O partido da primeira-ministas da Irlanda do Norte – e que até há pouco sustentava o executivo de Theresa May – distanciou-se das palavras do seu conselheiro. Mas as razões da teoria continuam a dividir profundamente o país.
Comentários