Burlas através do MB Way provocam disparo de 169% nas queixas

Os “principais alvos” dos esquemas são os consumidores que recorrem às plataformas de compra e venda do OLX e do Custo Justo. Saiba como pode evitar casos de burla.

DR

O Portal da Queixa registou em janeiro quase tantas reclamações sobre o a aplicação móvel MB Way como em todo o ano de 2019. No último ano, foram registadas 102 queixas relativas a burlas feitas através do MB Way, quando só em janeiro de 2020 registaram-se 86 reclamações, o que se traduz num aumento de 169% face a janeiro de 2019.

O presidente executivo do Portal da Queixa, Pedro Lourenço, citado em comunicado, afirma: “Embora não seja um tema recente, verificámos um aumento exponencial de reclamações por burla através do sistema MB WAY, nos últimos seis meses, pelo qual sentimos o dever de alertar os consumidores”.

Por isso, apela a que todos os consumidores “estejam atentos e sejam conhecedores dos vários esquemas de fraude e burla” e que os consumidores lesados por esquemas de burla que envolvam o MB Way, “procedam sempre à queixa-crime nas autoridades policiais da sua área de residência, com vista a permitir a investigação criminal e levar os criminosos à justiça”.

O MB Way é uma aplicação móvel que permite fazer transferências monetárias instantâneas entre números de telemóvel associados à aplicação. Para o efeito é possível gerar cartões virtuais e usar a rede de caixas de multibanco portuguesa sem ter de usar um cartão bancário físico. Segundo o Portal da Queixa, os “principais alvos” do esquema são os consumidores do OLX e do Custo Justo.

“O processo começa num contacto de interesse no artigo à venda, seguindo-se a oferta de aquisição por meio de pagamento MB WAY. O esquema é consumado, quando o vendedor  refere desconhecer o funcionamento da aplicação de pagamento, sendo convidado pelo alegado burlão a dirigir-se a uma caixa Multibanco, com vista a colocar o cartão de débito e inserir o número de telefone e código de acesso, que este lhe fornece, para proceder ao pagamento. A vítima julga estar a inserir os códigos para receber o dinheiro, contudo está a fornecer pleno acesso à sua conta bancária”, explica o Portal da Queixa.

Como evitar burlas via MB Way? A SIBS, a entidade gestora da rede Multibanco aconselha:
1 – Nunca deve adicionar, ou permitir que adicionem à sua conta ou cartão bancário, um número de telemóvel que não possui ou desconhece, quer seja através do multibanco, quer seja através do homebanking.

2 – Nunca deve seguir orientações de terceiros ou desconhecidos para fazer uma transação financeira, seja qual for, nomeadamente uma adesão ao serviço MB Way. Da mesma forma, nunca deve fornecer dados ou códigos da sua conta a um desconhecido.

3 – Os bancos não solicitam, telefonicamente ou por mail, que adicione à sua conta bancária um número de telemóvel que não é seu ou não conhece. Caso seja contactado neste sentido e desconfie da legitimidade do contacto, deverá de imediato entrar em contacto com o seu banco.

4 – Da mesma forma, nenhuma entidade legítima, como operadoras de comunicação ou de outros serviços, lhe poderá solicitar, telefonicamente ou por mail, que adicione à sua conta bancária um número de telemóvel que não é seu ou não conhece. Caso seja contactado neste sentido e desconfie da legitimidade do contacto, deverá de imediato entrar em contacto com o seu banco.

5 – Nunca forneça dados confidenciais ou pessoais como resposta a mensagens de correio eletrónico ou via via mensagem de texto no telemóvel, mesmo que a origem da solicitação aparente ser legítima.

6 – Não siga ligações que recebeu em mensagens de correio eletrónico ou via mensagem de texto no telemóvel.

7 – Verifique os extratos das suas contas bancárias regularmente.

8 – A SIBS recomenda que contacte o seu banco para adicionar o(s) seu(s) número(s) de telemóvel para que possam ter a sua ficha de cliente totalmente preenchida.

Ler mais

Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários