Cabo Verde Airlines precisa nova injeção financeira

A administração da CVA assume que aguarda com “expetativa e esperança” de que “outras ações sejam tomadas eminentemente pelos acionistas da companhia aérea, a fim de melhorar a liquidez atual da empresa em benefício de seus funcionários, credores e todas as demais partes interessadas”.

A Cabo Verde Airlines (CVA) esclareceu esta quinta-feira que a recente aprovação de uma garantia estatal de 12 milhões de dólares foi uma “formalidade” de um empréstimo anterior e que a companhia necessita nova injeção financeira para “melhorar a liquidez”.

Questionada pela Lusa sobre o aval aprovado pelo Governo cabo-verdiano ao empréstimo, oficializado esta semana, o conselho de administração da companhia aérea refere que essa garantia “não faz parte da discussão futura de financiamento em andamento entre os acionistas”, tendo a mesma resultado de um financiamento contraído anteriormente.

“Essa garantia do Estado é apenas uma formalidade final entre o Estado e o banco IIB, exigida em conjunto com a participação do Estado nas contribuições anteriores dos acionistas à companhia aérea. Por esse motivo, a garantia do Estado não disponibilizará mais fundos em dinheiro para a companhia aérea no momento”, esclarece a companhia, questionada pela Lusa.

Contudo, a administração da CVA assume que aguarda com “expetativa e esperança” de que “outras ações sejam tomadas eminentemente pelos acionistas da companhia aérea, a fim de melhorar a liquidez atual da empresa em benefício de seus funcionários, credores e todas as demais partes interessadas”.

A Lusa noticiou anteriormente que o Governo cabo-verdiano autorizou um aval estatal de até 12 milhões de dólares para a CVA garantir um financiamento bancário junto do International Investment Bank (IIB). De acordo com uma resolução do conselho de ministros, de 27 de julho, o “Estado reconhece o manifesto interesse nacional do projeto” da companhia aérea de bandeira, privatizada em 2019, mas parada desde 19 de março devido à pandemia de covid-19.

A decisão, que autoriza a Direção-Geral do Tesouro a emitir o aval, é justificada com os “importantes e desejáveis efeitos” do projeto da CVA e “considera que estão reunidas todas as condições exigíveis” para a sua concessão, no valor de “até 12 milhões de dólares (10,2 milhões de euros)”.

“Tendo em conta que a mesma tem dado os seus primeiros passos após a sua privatização, ocorrida muito recentemente, o Governo entende ser necessário ainda dar suporte que vise melhorar a situação económico-financeira da empresa, evitar o seu estrangulamento e garantir a sua sustentabilidade”, lê-se ainda.

Antes da crise provocada pela pandemia de covid-19 – Cabo Verde não recebe voos internacionais desde 19 de março -, a administração da CVA já tinha apontado que a companhia necessitava com urgência de um empréstimo de longo prazo para garantir a sua operacionalidade.

Em março de 2019, o Estado de Cabo Verde vendeu 51% da então empresa pública TACV (Transportes Aéreos de Cabo Verde) por 1,3 milhões de euros à Lofleidir Cabo Verde, empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF (grupo Icelandair, que ficou com 36% da CVA) e em 30% por empresários islandeses com experiência no setor da aviação (que assumiram os restantes 15% da quota de 51% privatizada).

O Governo cabo-verdiano concluiu este ano a venda de 10% das ações da CVA a trabalhadores e emigrantes, mas os 39% restantes, que deveriam ser alienados em bolsa, a investidores privados, vão para já ficar no domínio do Estado, decisão anunciada pelo executivo devido aos efeitos da pandemia.

A CVA transportou quase 345 mil passageiros no primeiro ano após a privatização (01 de março de 2019 a 28 de fevereiro de 2020) de 51% da companhia, um aumento de 136% face ao período anterior, segundo dados fornecidos à Lusa pela empresa.

Ler mais
Relacionadas

Cabo Verde Airlines com aval do Estado para empréstimo até 10 milhões de euros

A decisão, que autoriza a Direção-Geral do Tesouro a emitir o aval, é justificada com os “importantes e desejáveis efeitos” do projeto da CVA e “considera que estão reunidas todas as condições exigíveis” para a sua concessão, no valor de “até 12 milhões de dólares”.

Estratégia da Cabo Verde Airlines deve ser revista, defende Governo cabo-verdiano

Antes da crise provocada pela pandemia, a administração da CVA já tinha apontado que a companhia necessitava com urgência de um empréstimo de longo prazo para garantir a sua operacionalidade.“O Governo tudo fará para apoiar a CVA neste período transitório para fazer face a um mercado em transformação”, pode ler-se num documento.

Governo cabo-verdiano negoceia com privados para viabilizar Cabo Verde Airlines

O vice-primeiro-ministro de Cabo Verde, Olavo Correia, que é também ministro das Finanças, afirma que a CVA, privatizada em 51% em março de 2019, é uma “empresa nacional” com “grande impacto na economia cabo-verdiana”.
Recomendadas

Cabo Verde: dez mil trabalhadores do turismo deverão receber vacina na primeira fase

Olavo Correia, também titular da pasta das Finanças, fez essas declarações durante um encontro com os empresários locais, de diferentes áreas de atuação, micro, média e pequenas empresas, num dos hotéis da cidade turística de Santa Maria.

Vida dos bolseiros do Instituto Camões ficou mais difícil nos PALOP e em Portugal

Em 2020, o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, atribuiu 216 bolsas internas, na sua maioria licenciaturas, mas também do ensino secundário e mestrado.

África com mais 932 mortes por Covid-19 registadas em 24 horas

África registou nas últimas 24 horas mais 932 mortes por covid-19, alcançando um total de 77.684, e 30.855 novos casos de infeção, segundo os últimos dados oficiais da pandemia no continente
Comentários