Caixa Geral de Depósitos atualiza preçário para 2020. MB Way vai passar a ser pago

Com o novo preçário, vai verificar-se um agravamento das comissões nas contas pacotes e observar-se o pagamento pela utilização da aplicação MB Way, que passa a custar 88 cêntimos por transferência, havendo algumas isenções previstas.

Direitos Reservados

Existe um novo preçário para os clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Apesar de só entrar em vigor no próximo ano, no dia 25 de janeiro, a CGD apresentou novos custos em algumas comissões e os clientes desta entidade bancária vão pagar mais pelas suas contas já no início do próximo ano.

De acordo com o novo preçário, vai verificar-se um agravamento das comissões nas contas pacotes e observar-se o pagamento pela utilização da aplicação MB Way.

A conta mais básica da CGD, a Conta Caixa S, também vai ter um preço mais elevado. Os clientes vão passar a pagar 38,40 euros por ano, ao qual acrescem 4% do imposto de selo, equivalendo a 3,20 euros por mês, com bonificação. Sem bonificação, o preço aumenta para 59,40 euros anuais, onde aumenta 4% do imposto de selo.

As contas M e L permanecem sem alteração no preçário. Por sua vez, a conta Caixa Azul aumenta para cinco euros, o que equivale a 60 euros ao fim do ano, ao qual acrescenta 4% do imposto de selo.

Esta entidade bancária vai começar a cobrar pela utilização do MB Way no próximo ano. Pelo serviço desta aplicação, os clientes vão pagar 0,85 euros, ao qual vão acrescer 4% de imposto de selo, que no fim vai equivaler a 0,88 euros.

Mas há isenções para o pagamento deste valor. Os clientes menores de 26 anos, ou os clientes com Conta Caixa, ficam isentos do pagamento deste valor, quando a transferência é realizada para um utilizador do serviço MB Way que também tenha conta domiciliada na CGD.

O levantamento de dinheiro com a apresentação de caderneta vai ter o preço fixado em três euros, mais o imposto de selo, enquanto atualmente se paga 2,75 euros. Por sua vez, a atualização de cadernetas recorrendo as serviços do balcão vão custar dois euros, mais imposto de selo.

Este aumento de preçários surge após a DBRS Ratings melhorar o rating dos depósitos no banco liderado por Paulo Macedo.

Ler mais
Recomendadas

Miguel Maya: “BCP já tem cinco mil operações por dia feitas por robôs”

“O BCP aprendeu com os erros do passado”, reconheceu o banqueiro. Miguel Maya disse que era preciso a tecnologia com a relação humana já que “a tecnologia é para servir a relação”, referiu.

N26 quer chegar aos 100 mil clientes em Portugal até ao final do ano

Em julho de 2019 o N26 chegou ao mercado norte-americano e os planos de expansão passam por entrar no mercado australiano, brasileiro e canadiano.

Carlos Costa: Expansão da rede de distribuição com digitalização da banca agrava o “too big to fail”

O Governador do Banco de Portugal reconheceu que ainda não existem estudos empíricos suficientes para avaliar as implicações da digitalização do sector bancário.
Comentários