Caixa Geral de Depósitos tapava buracos na conta à ordem de Sócrates

A conta à ordem do antigo primeiro ministro, no banco público, subia e descia várias vezes em 24 horas e tinha entradas e saídas de elevadas verbas a uma rapidez que saltava à vista.

Leonhard Foeger/Reuters

A gestora da conta à ordem de José Sócrates, na Caixa Geral de Depósitos (CGD), é uma das testemunhas chamadas ao Campus da Justiça pelo Ministério Público. A responsável terá de prestar esclarecimentos sobre como é que solucionava os problemas de falta de liquidez, uma vez que essa conta subia e descia várias vezes em 24 horas e tinha entradas e saídas de elevadas verbas a uma rapidez que saltava à vista, revela o Correio da Manhã.

Em causa estão as transferências, a concessão de empréstimos, a cobertura dos montantes negativos, entre outras transações, que o antigo primeiro-ministro pedia à gestora de conta à ordem e que a mesma realizava.

Numa das conversas entre a gestora e o ex-chefe de Governo português, que o CM ouviu, ter-se-á ouvido as seguintes afirmações: “Fiquei boquiaberto (…). Realmente, agora já começo a passar-me para o outro lado (…), acho que realmente o Estado nos rouba de uma forma absolutamente impressionante”. O episódio aconteceu quando José Sócrates foi realizar um pagamento de IRS.

Mesmo quando a gestora lhe dizia que o seu saldo estava a negativo, para surpresa do antigo governante, rapidamente havia solução para a falta de liquidez financeira – inclusive pedir emprestado ao amigo Carlos Santos Silva, conforme adianta o matutino. José Sócrates chegou a comentar com a gestora que achava que eram caras demais: “São mil euros em viagem de classe executiva”, afirmava a gestora. “Quanto é que tenho?”, questionava-se muitas vezes o ex-dirigente político, acusado de 31 crimes, sobre o dinheiro que tinha na conta.

Relacionadas

Operação Marquês: seis ministros de José Sócrates vão ser chamados a depor

Também serão chamados pelo Ministério Público dois secretários de Estado dos governos que o ex-primeiro ministro liderou, entre 2005 e 2011. Luís Campos, Teixeira dos Santos e a atual ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, estão entre os nomes.

Sócrates: “Não fui um primeiro-ministro corrupto”

Em entrevista à RTP, o antigo chefe de Governo garantiu que não há documentos no processo de investigação que provem que o dinheiro em causa era seu.

Operação Marquês: Todos os acusados e acusações

Cúmulo jurídico da legislação portuguesa faz com que os crimes de que o ex-primeiro-ministro é acusado impliquem pena de prisão efetiva durante pelo menos uma década, caso seja condenado.

Operação Marquês: Acusação exige 58 milhões de euros de indemnização ao Estado

Acusação da ‘Operação Marquês’ inclui um pedido de indemnização civil a favor do Estado de 58 milhões de euros a pagar por José Sócrates, Ricardo Salgado, Carlos Santos Silva, Armando Vara, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, entre outros arguidos.

Sócrates acusado de receber luvas de 24 milhões com origem nos grupos Lena, Espírito Santo e Vale do Lobo

Montantes foram transferidos para contas bancárias numa altura em que Sócrates exercia funções de primeiro-ministro.

Oficial: 28 acusados na Operação Marquês

O Ministério Público deduziu acusação contra 28 arguidos, 19 pessoas singulares e 9 pessoas coletivas, no âmbito da designada ‘Operação Marquês’. Confira aqui a lista de acusados.
Recomendadas

PremiumCore Capital compra SousaCamp por 12,3 milhões de euros

A escritura de venda dos créditos do Novo Banco e do Crédito Agrícola no grupo Sousacamp à capital de risco Core Capital, foi finalmente assinada esta quinta-feira, dia 28 de maio.

Portugal é dos países europeus que mais investe em ‘open banking’, conclui estudo

A oportunidade de melhorar a experiência do cliente foi o maior catalisador dos investimentos, segundo a análise da plataforma sueca Tink.

Crédito malparado de particulares e empresas desce em abril

Em abril, segundo as estatísticas do banco central, o ‘stock’ de empréstimos aos particulares era de 118,7 mil milhões de euros, menos 0,14% do que em março e mais 3,10% do que em abril de 2019.
Comentários