Caixa vai financiar 85% de contrato de 270 milhões de euros da Mota-Engil em Angola

O valor presente neste contrato de financiamento destina-se à “cobertura de 85% do Contrato de Empreitada” e a “100% do prémio de seguro”, lê-se no documento assinado pelo chefe de Estado angolano.

Mario Proenca/Bloomberg

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai financiar 85% do contrato de 270 milhões de euros adjudicado à construtura Mota-Engil para a modernização das instalações navais do Soyo, no norte de Angola, segundo um despacho assinado pelo Presidente angolano.

Num despacho presidencial datado de 22 de maio e a que a Lusa teve hoje acesso, além de adjudicar a empreitada à construtura portuguesa, o Presidente de Angola, João Lourenço, aprovou um contrato de financiamento entre o Estado angolano e a CGD avaliado em 252.530.810 euros.

O valor presente neste contrato de financiamento destina-se à “cobertura de 85% do Contrato de Empreitada” e a “100% do prémio de seguro”, lê-se no documento assinado pelo chefe de Estado angolano.

João Lourenço justificou a celebração destes contratos com a “necessidade de recursos financeiros para materializar os projetos de investimentos públicos e melhorar as condições das infraestruturas do país” e com a “necessidade de financiar o projeto de modernização das infraestruturas navais do Soyo”.

Na terça-feira, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Mota-Engil informou que, através da Mota-Engil Engenharia e Construção África, “se concretizaram os últimos trâmites legais conducentes à execução de um contrato para a modernização das Instalações Navais do Soyo, no norte de Angola”.

A construtora liderada por Gonçalo Moura Martins detalhou que o contrato totaliza 270 milhões de euros e contempla a execução de três atividades principais: dragagem, construção de cais e edifícios e infraestruturas.

“O financiamento integral do projeto está assegurado por uma instituição de crédito à exportação”, acrescentou a Mota-Engil.

No comunicado, a construtora portuguesa referiu que “a confirmação da adjudicação deste contrato em toda a sua extensão é mais um exemplo relevante da dinâmica comercial da Mota-Engil em África, e em Angola em particular, continuando este país a afirmar-se como um pilar do desenvolvimento do Grupo”.

A Mota-Engil adiantou que, nos últimos dias, foram também adjudicados “contratos de menor dimensão em Angola, no Uganda, em Moçambique e no Malawi”, num valor total de cerca de 180 milhões de euros, na sequência dos quais a carteira de encomendas cresceu 450 milhões de euros na região africana.

Em 10 de maio, a Mota-Engil anunciou ter assinado novos contratos no Quénia no valor de 100 milhões de euros, relativos ao projeto, construção, operação e manutenção por 10 anos de duas redes de estradas naquele país.

Relacionadas

Mota-Engil ganha novos contratos de 450 milhões em África

O principal contrato garantido pela construtora portuguesa, no valor de 270 milhões de euros, foi conseguido em Angola, para a modernização das instalações navais do Soyo, no norte do país.

Acionistas da Mota-Engil aprovam todos os pontos da AG

A análise do relatório e contas de 2018, a proposta de aplicação de resultados e o relatório sobre as práticas de governo societário, por exemplo, tiveram ‘luz verde’ por unanimidade.
Recomendadas

Goldman Sachs tem mil milhões para investir na logística em Espanha e Portugal

O investimento surge com o objetivo de fortalecer a marca Newdock, criada este ano. Banco norte-americano tem mil milhões de euros para investir no sector logístico na Península Ibérica.
Miguel Maya

BCP e FEI assinam acordo para reforçar apoio às PME em 1,65 mil milhões

O FEI dará ao Millennium bcp uma garantia de até 1,155 mil milhões de euros, com o objetivo de canalizar mais 1,650 mil milhões de euros para a economia. Isto é, do financiamento às PME feito pelo BCP, 70% será garantido por este fundo do BEI. É o maior acordo assinado até hoje com um banco comercial.

Sindicato dos Quadros convida os 145 trabalhadores do Santander a impugnarem o despedimento coletivo

“O Banco Santander começou ontem a notificar os trabalhadores que vão ser abrangidos pelo despedimento coletivo. Segundo foi divulgado na comunicação social o despedimento coletivo abrangerá 145 trabalhadores”, lembra o sindicato liderado por Paulo Gonçalves Marcos.
Comentários