Calçado vegan? Sim, também já há

Uma empresa da Póvoa de Lanhoso considera que nem mesmo uma indústria tradicional como o calçado precisa de recorrer a produtos que, do ponte de vista da sustentabilidade, não fazem sentido.

A Verney é uma marca de calçado inovadora, que tem na sustentabilidade a sua principal razão de ser e para isso transformou aquela arte em mais um derivado da produção vegan. Nascida no norte de Portugal há cerca de dois anos, a empresa surge no sentido de que são necessárias “escolhas mais conscientes e ecológicas na hora de comprar e optar por marcas sustentáveis e adeptas do movimento slow fashion, que respeitam normas de responsabilidade ambiental e social”, referem os seus responsáveis.

É assim que a Verney “oferece um novo conceito de marca de calçado que respeita o meio ambiente e permite que as mulheres possam estar sempre na moda, ao optar pela criação de modelos intemporais e adaptados a cada estação”.

Cristóvão Soares, gestor da empresa, explica que “a Verney permite às mulheres comprarem menos, mas comprarem melhor e de forma mais consciente. Não necessitam de uma grande quantidade de modelos para estarem na moda e adaptarem os seus looks às necessidades do dia-a-dia. Na Verney, tanto podem encontrar modelos para passeios ao ar livre, como para empregos exigentes”.

Localizada na Póvoa de Lanhoso, Braga, a Verney conta com uma estrutura organizacional diferenciada, “composta por profissionais autónomos e empreendedores, com elevados conhecimentos nas mais diversas áreas inerentes à gestão e à indústria do calçado”. Além disso, a empresa trabalha com diversos parceiros de Guimarães, Felgueiras e S. João da Madeira, com mais de 30 anos de experiência no setor, que garantem mão-de-obra qualificada e reconhecida mundialmente.

“A Verney assume valores e princípios importantíssimos, no que diz respeito à proteção do meio ambiente e valorização dos recursos naturais e humanos. Surge como resposta à necessidade de uma sociedade feminina, de consumo mais consciente, principalmente, no que toca ao calçado, trazendo opções de modelos intemporais, adaptáveis a todos os tipos de mulher e look, fabricados em Portugal, por mãos talentosas e reconhecidas em todo o mundo”.

Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários