PremiumCâmara de Comércio e Indústria da Macaronésia deve ficar operacional em 2020

O presidente da ACIF mostra-se preocupado com a falta de coesão económica e social na União Europeia, e defende uma política fiscal mais agressiva na Madeira.

Uma confederação das Câmaras de Comércio da Macaronésia, a certificação de produtos regionais e apoio à exportação, e um centro de arbitragem comercial são alguns dos desafios identificados por Jorge Veiga França, para os próximos anos do mandato na Câmara do Comércio e Indústria da Madeira (ACIF).

Em 2020 já serão lançados os primeiros pilares para esta Confederação das Câmaras de Comércio da Macaronésia?

Gostaria de começar já a operacionalização em 2020. O trabalho de base ficou a cargo da principal Câmara de Comércio, que é a de Gran Canaria. Se reparar, estamos a falar num mercado com quase três milhões e meio de consumidores. Não serão os consumidores mais ricos da União Europeia, ou do mercado que abranja estas regiões e o estado de Cabo Verde, mas, de qualquer maneira, já é um mercado e pode ganhar desde que seja ajudado para isso. Se forem compensadas as maiores dificuldades, conseguiremos ganhar alguma escala a este nível. A ideia era já no mês de dezembro termos assinado os estatutos desta Confederação, mas a Câmara de Comércio da Gran Canária atrasou-se bastante por causa das diversas eleições que tiveram lugar em Espanha.

No seu entender, esta união das diferentes Câmaras de Comércio da Macaronésia pode alcançar outra pujança a nível europeu?

Sem sombra de dúvida.

Isso pode ser uma espécie de lóbi a favor destas regiões?

Não me importo nada do nome. Há quem não goste do nome, mas se a atividade for feita de uma forma clara, legalmente aceitável, eles não gostam de utilizar a expressão, mas Bruxelas é um centro de lóbi incrível, onde funcionam a tempo inteiro todas essas forças. Posso dizer aliás que, no caso espanhol, existe uma outra pujança na defesa dos interesses das Canárias em Bruxelas que nós não temos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 3 de janeiro.

Ler mais
Recomendadas

PremiumLuciano Huck: Mais uma estrela televisiva que não consegue resistir a cair no caldeirão da política

O popular apresentador da Globo alimenta há três anos o tabu da disponibilidade para se candidatar à presidência do Brasil, podendo enfrentar Jair Bolsonaro em 2022. Um almoço com Sérgio Moro e vários apoios nas eleições municipais em curso vieram aumentar as especulações.

PremiumCovid-19: O que esperar da vida depois das vacinas

Notícias animadoras nos ensaios clínicos das vacinas contra a Covid-19 trazem esperança de retoma económica, mas há razões para confinar o excesso de otimismo. Sendo a vacinação um processo de logística complicada e no qual demorará até haver imunidade de grupo, ninguém espera que o turismo volte tão cedo aos níveis pré-Covid. Certo está que o teletrabalho vai continuar a ser mais comum do que antes, mas as opiniões dividem-se quanto à cicatrização da crise.

PremiumCarlos Almeida: “Green bonds poderão flexibilizar cálculo da dívida pública”

Portugal poderia beneficiar ao fazer uma emissão de dívida soberana sustentável, segundo Carlos Almeida, diretor de investimentos do Best.
Comentários