Câmara de Lisboa entregou a Moscovo dados pessoais de três ativistas russos em Portugal

Os dados terão sido obtidos na sequência de um protesto frente à embaixada da Rússia em Lisboa, a 23 de janeiro deste ano, evento onde é necessário enviar para a autarquia os dados pessoais de pelo menos três dos organizadores.

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) entregou às autoridades russas os dados pessoais de três ativistas que residem em Portugal, segundo informação avançada pelo jornal “Expresso” na quarta-feira, 9 de junho.

Os dados terão sido obtidos na sequência de um protesto frente à embaixada da Rússia em Lisboa, a 23 de janeiro, deste ano, contra a prisão de Alexei Navalny, evento onde é necessário enviar para a autarquia os dados pessoais de pelo menos três dos organizadores.

Em declarações ao “Expresso” um dos ativistas que tem nacionalidade russa e portuguesa revelou ter medo de voltar depois de terem sido partilhados os dados de cidadãos portugueses. Esta situação já levou a reações dos vários partidos políticos.

O candidato do Partido Social Democrata (PSD) à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, pede a demissão de Fernando Medina, caso esta informação se confirme, enquanto o CDS quer chamar o presidente da CML à Assembleia da República para dar explicações sobre o sucedido, algo que é partilhado também pelo Bloco de Esquerda (BE) e Iniciativa Liberal (IL).

Recomendadas

Portugal com mais 883 casos de Covid-19 e quatro mortes

A DGS informou este sábado que se contabilizam mais 729 pessoas recuperadas da doença causada pelo novo coronavírus.

Escritaria 2021 presta homenagem a Germano Almeida

Germano Almeida, o escritor, a obra e o cinema que esta inspirou vão estar em destaque no festival literário Escritaria. Assim como o seu novo livro. De 24 a 31 de outubro, todos os caminhos vão dar a Penafiel.

Livro: “Crónicas Italianas, entre mito e realidade”

António Mega Ferreira, escritor, gestor e jornalista encerra com este livro o tríptico que integra os seus anteriores títulos “Roma, exercícios de reconhecimento” e “Itália, práticas de viagem”.
Comentários