Câmara de Lisboa entregou a Moscovo dados pessoais de três ativistas russos em Portugal

Os dados terão sido obtidos na sequência de um protesto frente à embaixada da Rússia em Lisboa, a 23 de janeiro deste ano, evento onde é necessário enviar para a autarquia os dados pessoais de pelo menos três dos organizadores.

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) entregou às autoridades russas os dados pessoais de três ativistas que residem em Portugal, segundo informação avançada pelo jornal “Expresso” na quarta-feira, 9 de junho.

Os dados terão sido obtidos na sequência de um protesto frente à embaixada da Rússia em Lisboa, a 23 de janeiro, deste ano, contra a prisão de Alexei Navalny, evento onde é necessário enviar para a autarquia os dados pessoais de pelo menos três dos organizadores.

Em declarações ao “Expresso” um dos ativistas que tem nacionalidade russa e portuguesa revelou ter medo de voltar depois de terem sido partilhados os dados de cidadãos portugueses. Esta situação já levou a reações dos vários partidos políticos.

O candidato do Partido Social Democrata (PSD) à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, pede a demissão de Fernando Medina, caso esta informação se confirme, enquanto o CDS quer chamar o presidente da CML à Assembleia da República para dar explicações sobre o sucedido, algo que é partilhado também pelo Bloco de Esquerda (BE) e Iniciativa Liberal (IL).

Recomendadas

Bolsonaro antecipa fraude eleitoral e Tunísia a caminho da ditadura. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

OMS pede moratória sobre doses de reforço das vacinas

O médico etíope tem frequentemente alertado para a falta de equidade na distribuição e administração de vacinas contra a covid-19, prejudicando os países mais pobres, sobretudo africanos.

Jovens saudáveis dos 12 aos 15 anos têm que esperar por ‘task force’ para vacinação

A DGS determina que as crianças com idades entre os 12 e os 15 anos que tenham cancro ativo, diabetes, obesidade, insuficiência renal crónica estão entre as que devem ser vacinadas prioritariamente contra a covid-19.
Comentários