Câmara de Loures aprova orçamento de 143,7 milhões de euros para 2020

Algumas das obras inscritas neste orçamento são a construção da variante a Loures, o centro de saúde de Santa Iria da Azoia, o passeio ribeirinho e novos parques urbanos na zona do Infantado e na localidade do Catujal.

A Câmara Municipal de Loures, no distrito de Lisboa, aprovou hoje o orçamento para 2020, no valor de 143,7 milhões de euros, tendo como prioridades as áreas da educação, ambiente e mobilidade.

O novo orçamento, assim como as Grandes Opções do Plano (2020/2023), foram aprovados esta tarde em reunião pública do executivo, liderado por Bernardino Soares (CDU), com os votos favoráveis da CDU, contra do PSD e a abstenção do PS.

O orçamento para 2020 corresponde assim a um aumento de cerca de 11 milhões de euros, face ao que tinha sido aprovado para 2019, que foi de 132,5 milhões.

Durante a discussão, Bernardino Soares justificou este aumento com o incremento de verbas provenientes dos impostos diretos e de fundos comunitários.

O orçamento do município de Loures para 2020 prevê uma verba de 40 milhões de euros para investimento e de 47,5 milhões para atividades.

Algumas das obras inscritas neste orçamento são a construção da variante a Loures, o centro de saúde de Santa Iria da Azóia, o passeio ribeirinho e novos parques urbanos na zona do Infantado e na localidade do Catujal.

“É um orçamento que procura melhorar a qualidade de vida da população”, sintetizou o autarca.

Na discussão dos documentos, os vereadores do PSD, que votaram contra, foram os mais críticos das opções tomadas, afirmando que este orçamento “é um engodo”.

“É um verdadeiro exagero quanto ao investimento previsto. Prometem-se coisas às pessoas que depois a execução vai ser muito complicada”, apontou o vereador social-democrata Nuno Botelho.

A baixa taxa de execução do orçamento foi também criticada pelos vereadores do PS, que lamentaram a não inclusão de medidas de apoio à habitação jovem e de um orçamento participativo.

“O documento tem de ser ambicioso, mas exequível. O grau de execução do investimento não se pode cifrar abaixo dos 30%”, defendeu o socialista Nuno Dias.

No entanto, os socialistas, que se abstiveram na votação, encararam como positivo o facto de o executivo prever um aumento em 25% do valor a transferir para as juntas de freguesia.

Durante a sessão foi também aprovada por maioria, com os votos favoráveis da CDU, contra do PSD e abstenção do PS, o orçamento dos Serviços Intermunicipalizados de Águas e Resíduos (SIMAR), que o município de Loures gere em conjunto com o concelho vizinho de Odivelas.

Os documentos terão de ser agora apreciados e votados pela Assembleia Municipal de Loures.

Ler mais
Recomendadas

Diploma do Chega sobre incompatibilidade de políticos retirado do plenário pelo Governo

Presidência da Assembleia da República avisou gabinete de André Ventura que o Governo não autorizou o arrastamento do seu projeto de lei para ser discutido em conjunto com proposta de lei sobre contratação pública. Ferro Rodrigues disse que nada teve a ver com o assunto, mas mudança da ordem dos trabalhos foi aprovada por PS, PSD, Bloco, PCP e PEV.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.

PS recomenda ao Governo tarifa social de acesso à Internet

O Grupo Parlamentar do PS pediu ao Governo para implementar a tarifa social de acesso a serviços de Internet prevista no Plano de Ação para a Transição Digital. Em tempos da pandemia da Covid-19, Socialistas consideram “imperioso” criar esta tarifa social que, à semelhança da tarifa social de eletricidade, venha a reduzir os encargos financeiros dos consumidores mais vulneráveis.
Comentários