Câmara do Seixal denuncia “atentado ambiental” no rio Tejo depois de vídeo revelar descargas ilegais

Situação foi denunciada em vídeo nas redes sociais. Joaquim Santos já pediu explicações à Simarsul, a empresa pública responsável pelo tratamento de esgotos do concelho. A empresa, por sua vez, fez saber que a descarga deveu-se a uma avaria numa das estações do subsistema de saneamento do Seixal, provocada pela “utilização incorreta da rede de esgotos por parte dos utilizadores”.

O presidente da Câmara Municipal do Seixal, Joaquim Santos, recorreu à sua conta de Facebook para denunciar a realização de descargas indevidas de águas residuais no rio Judeu, afluente do rio Tejo através da baía do Seixal, pela empresa pública Simarsul.

“A autarquia já pediu explicações a esta empresa pública do Estado sobre o sucedido, tendo denunciado este atentado ambiental à Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT)”, lê-se na publicação de Joaquim Santos, autarca eleito pela CDU nas eleições de 2017.

Para Joaquim Santos, “este atentado ambiental” não pode acontecer , nem é justificável, quando “a autarquia tem milhões de euros na requalificação ambiental e paisagística” do concelho do Seixal, para “melhores condições ambientais”.

Anualmente, de acordo com o chefe do executivo camarário, são investidos “cerca de seis milhões de euros” no tratamento de esgotos do concelho seixalense. A verba mencionada por Joaquim Santos vai diretamento do erário público para os cofres da empresa do Estado Simarsul.

Desta forma, o autarca manifestou publicamente desagrado pela “descarga indevida na baía do Seixal ou noutro qualquer local, sem tratamento”.

Também no Facebook, em diversos grupos públicos de munícipes do Seixal, encontram-se comentários e vídeos a descrever e a questionar a situação. O vídeo abaixo foi partilhado no grupo “Contaminados do Seixal”, na terça-feira, 12 de novembro.

De acordo com o sítio do jornal regional “Diário do Distrito“, a Simarsul justifica a situação, verificada ao longo desta semana, com uma avaria técnica na Estação Elevatória do Porto da Raposa, na segunda-feira, 11 de novembro. A empresa do Estado fez saber que a avaria na estação do subsistema de saneamento do Seixal teve origem na afluência de “materiais impróprios às redes de esgotos, decorrentes da utilização incorreta por parte dos utilizadores”.

O episódio deixou a Estação Elevatória do Porto da Raposa “fora de serviço, ativando a descarga de emergência que protege a infraestrutura de situações anómalas”, citou aquele jornal regional.

A Simarsul garantiu que à data de 13 de novembro – aquando da publicação do autarca do Seixal – a instalação já se encontrava “a funcionar sem anomalias”.

Recomendadas

Café do vulcão cabo-verdiano do Fogo chega ao gigante Starbucks

Uma parceria estabelecida entre empresários holandeses e cabo-verdianos está a levar o café da ilha do Fogo, produzido biologicamente junto ao vulcão, à gigante norte-americana Starbucks, a maior rede de cafés do mundo.

PremiumFintech Pagaqui investe nas criptomoedas

Empresa quer continuar próxima dos pequenos retalhistas e está a criar serviços para que os clientes paguem o café com moedas digitais.

Indígenas protestam junto da sede da Repsol contra petróleo no mar brasileiro

Um grupo de indígenas brasileiros, em conjunto com representantes do movimento de proteção ambiental 350.org, manifestaram-se hoje junto da sede da petrolífera Repsol em Madrid contra o uso de combustíveis fósseis, pedindo um “mar sem petróleo”.
Comentários