Canadá segue exemplo europeu: Não há plásticos descartáveis a partir de 2021

O primeiro-ministro canadiano explicou que este passo se deveu ao facto de ter dificuldade em explicar aos seus filhos como é que as baleias estavam a dar à costa com os estômagos cheios de plásticos.

O Canadá seguiu o exemplo da União Europeia e vai banir os objetos plásticos de uso único até o início de 2021, anunciou o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau.

O líder do executivo canadiano garante que apenas serão banidos objetos específicos, baseados num artigo científico, apesar de o governo local considerar itens como garrafas de água, sacos de plástico e palhinhas. “Até 2021, o Canadá vai banir plásticos nocivos descartáveis de costa a costa”, anunciou Justin Trudeau, numa declaração ao país feita esta segunda-feira.

Justin Trudeau revelou que o seu governo está a inspirar-se no Parlamento Europeu, que votou em março a proibição destes plásticos, para combater a poluição de itens descartados que entram nos cursos de água. Portugal é um dos países que aceitou banir o uso destes objetos “até que este já não faça sentido existir”, já em 2020.

O primeiro-ministro canadiano explicou que este passo se deveu ao facto de ter dificuldade em explicar aos seus filhos como é que as baleias estavam a dar à costa com o estômago cheios de plástico. “Como pais, estamos num ponto em que quando levamos os nossos filhos à praia, temos de procurar um sítio na areia que não tenha palhinhas, esferovite e garrafas. É um problema, e temos de falar algo em relação a isso”, disse.

Menos de 10% do plástico utilizado no Canadá é reciclado. O governo de Trudeau afirma que um milhão de pássaros e mais de 100 mil animais marinhos ficam feridos ou morrem por confundirem objetos plásticos por comida.

A legislação imposta pela União Europeia aponta como meta a reciclagem de 90% das garrafas de plástico até 2025 e a redução para metade da quantidade de materiais plásticos que mais vezes vão parar ao oceano. O Parlamento Europeu estima que estas mudanças vão custar entre 259 e 695 milhões de euros. Ainda assim, não se sabe o impacto económico que esta alteração terá na economia do Canadá.

A decisão da China em parar de importar lixo da União Europeia também terá motivado a aposta nesta medida. Tomada no ano passado, a opção fez com que outros países do sudoeste asiático passassem a ser o destino final do lixou europeu. As Filipinas enviaram de volta para o Canadá, em maio, 69 contentores daquilo que as autoridades classificam como lixo ilegalmente transportado, seguindo o exemplo da Malásia.

Ler mais
Relacionadas

Malásia vai devolver três mil toneladas de plástico aos países de origem

“Estamos a pedir aos países desenvolvidos que revejam a sua gestão de resíduos plásticos e parem de enviar lixo para países em desenvolvimento”, explicou a ministra do Ambiente da Malásia. Os resíduos plásticos vão ser devolvidos a 14 países.

Plástico: produção mundial cresce 3,2% em 2018 para 359 milhões de toneladas

Segundo a PlasticsEurope, a Ásia é assim responsável por mais de metade da produção de plásticos, destacando-se a China com 108 milhões de toneladas.

Primeira ‘zero waste store’ na Europa é portuguesa, biológica e a granel

A Maria Granel foi um projeto concebido em 2013 por Eunice Maia, uma professora de origem minhota, e pelo marido, um economista açoriano, que surgiu da vontade de recuperarem a imagem das mercearias tradicionais da infância e reintroduzi-las na grande cidade.

UE aprova proibição de palhinhas e outros plásticos até 2021

A proibição formal do uso de palhinhas, varas de balões e cotonetes foi aprovada esta terça-feira.

Zouri: Como o lixo nas praias está a revolucionar o calçado português

A marca portuguesa 100% ecológica, considera ser “um manifesto à preservação dos oceanos” e tem como objetivo agir como um player relevante no setor da economia circular.

Qual o impacto económico do lixo nos oceanos? Só a pesca perde 162 milhões de euros

“O plástico desempenha um papel importante na economia. A sociedade beneficia deste material barato. Infelizmente, o baixo custo da produção está em dissonância com o custo potencialmente alto da sua passagem para o ambiente”, refere a Comissão Europeia.

Guerra ao plástico: Palhinhas, talheres e copos acabam já em 2020

As afirmações são do ministro do Ambiente e este garante que “Portugal se vai antecipar” à proibição nos restantes países europeus.
Recomendadas

Manifesto considera que investimento do Governo em hidrogénio é “aventura” em que o país não pode embarcar

O grupo composto por mais de 30 especialistas considera que não existe uma “racionalidade económica” para realizar um investimento na produção de hidrogénio. “O país não pode mais uma vez embarcar numa aventura como a Estratégia do Hidrogénio, que absorverá uma parte significativa dos recursos”, apelam.

Guterres pede aos líderes mundiais que escolham “o caminho das energias limpas”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu esta quinta-feira aos líderes mundiais para escolherem “o caminho das energias limpas” nos respetivos planos de recuperação económica pós-pandemia, exortando a comunidade internacional a proibir o carvão e os apoios aos combustíveis fósseis.

Governo vai financiar até 40 milhões de euros projetos de hidrogénio verde

João Galamba representou Portugal na cerimónia do anúncio da nova Aliança Europeia de Hidrogénio Verde, na Comissão Europeia. O secretário de Estado considera que o país “será um elemento essencial para impulsionar o amplo uso de hidrogénio”
Comentários