Candidato à Casa Branca promete plano de 14,7 biliões de euros para evitar crise climática

O político Bernie Sanders apresenta a criação de 20 milhões de postos de trabalho “para resolver a crise climática” e a mobilização de lideres mundiais para a luta das alterações do clima.

O plano de Bernie Sanders, candidato à Casa Branca para 2020, é ambicioso. O político garantiu que iria mobilizar 16,3 triliões de dólares (cerca de 14,7 biliões de euros) para evitar a uma catástrofe climática. Simultaneamente, Bernie Sanders avisou que os Estados Unidos da América (EUA) correm o risco de perder 34,5 triliões de dólares (aproximadamente 31 biliões de euros) em produtividade económica até ao fim do séculos, caso não responda à ameaça existente.

Bernie Sanders, também senador do estado norte-americano de Vermont, apoia o ‘Green New Deal’ desde o início, tendo-o apresentado em conjunto com a congressista Alexandria Ocasio-Cortez. O político seguiu o exemplo de vários candidatos e divulgou uma proposta específica, onde propõe limitar a poluição automóvel, de centrais elétricas e de outras atividades humanas.

A proposta divulgada por Sanders para o ‘Green New Deal’ é muito mais agressiva do que a apresentada por Barack Obama durante a sua presidência. O objetivo é eliminar as emissões de carbono dos EUA até 2050, a meta estabelecida pelos cientistas do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas da ONU. Além deste plano, o político apresenta ainda a criação de 20 milhões de postos de trabalho “para resolver a crise climática” e a mobilização de lideres mundiais para a luta das alterações do clima.

O plano apresentado pretende alcançar ainda 100% de energia renovável para eletricidade e transportes até 2030, estando a descarbonização completa até 2050, acordando com as metas da ONU, “expandindo as administrações de comercialização de energia existentes para construir novas centrais solares, eólicas e geotérmicas”.

Em comparação com outros candidatos, Bernie Sanders foi o que deslocou mais dinheiro para as alterações climáticas. Joe Biden, candidato e ex-braço-direito de Obama, propôs gastar 1,7 triliões de dólares (perto de 1,5 biliões de euros) para neutralizar as emissões de carbono até 2050, enquanto o plano da senadora Elizabeth Warren foi o investimento de 2 triliões de dólares (cerca de 1,8 biliões de euros) em indústrias renováveis e na criação do Instituto Nacional de Energia Limpa.

Bernie Sanders garante que o programa apresentado se paga a si próprio ao fim de 15 anos, fazendo com que “a indústria de combustíveis fósseis pague pela sua poluição, por meios litigiosos, taxas e impostos, e eliminando os subsídios federais para os combustíveis fosseis”. Sanders pretende ainda reduzir as emissões dos EUA, um dos maiores poluidores mundiais.

Na campanha, o político diz querer “reduzir as emissões domésticas em, pelo menos, 71% até 2030 e reduzir as emissões no sul não-chinês em 36% até 2030”, algo que seria o “equivalente total em reduzir as nossas emissões domésticas em 161%”. Bernie Sanders, caso seja eleito, planeia ainda declarar as alterações climáticas uma emergência nacional e dispôs-se a pagar 200 mil milhões de dólares (aproximadamente 180 mil milhões de euros) para o Fundo Verde para o Clima, de forma a que os países conseguissem reduzir a poluição.

Ler mais
Recomendadas

Governo investiu 388 milhões de euros ao abrigo do Fundo Ambiental em 2019

O Fundo Ambiental foi criado em 2016, entrando em vigor em 2017, para apoiar políticas de desenvolvimento sustentável, contribuindo para o cumprimento de compromissos nacionais e internacionais, relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos, à conservação da natureza e à biodiversidade.

Presidência da Eurorregião Alentejo-Algarve transita para a Andaluzia

O presidente Junta da Andaluzia, Juan Moreno, lidera agora a eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia – a designada EuroAAA -, defendendo que esta estrutura deve ter maior ambição na Europa. Já anunciou que quer albergar a próxima Cimeira Ibérica Espanha-Portugal

Conferência que começou como acidente quer mudar as cidades

“Depois de anunciarmos, alugámos um espaço onde cabiam 200 pessoas mas nunca pensámos encher. No fim, acabámos com mais de mil pessoas de mais de 30 países”, afirma o fundador do projeto.
Comentários