Candidaturas para tornar casas mais eficientes já abriram. Sabe como se candidatar?

Destinados às famílias mais carenciadas e em situação de pobreza energética, estes vales disponibilizaram 162 milhões de euros que têm como objetivo ajudar 100 mil famílias até 2025. Sabe como se candidatar?

Na passada terça-feira, 1 de setembro, arrancaram as candidaturas ao programa do Governo “Vales de Eficiência Energética” que visam tornar as casas portuguesas mais energicamente eficientes.

No total, estão disponíveis 162 milhões de euros previstos no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) sendo que o programa, numa primeira fase, vai atribuir 20 mil vales no valor de 1.300 euros mais IVA. Ao todo, estima-se que sejam entregues 100 mil vales a famílias com mais necessidades até 2025. Sabe como se candidatar?

Quem é que pode beneficiar dos vales?

Os vales são destinados a famílias economicamente vulneráveis e em situação de potencial pobreza energética, que não residam em habitação social e que reúnam estas três condições:

  • Ser beneficiário da Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE) à data de submissão da candidatura, e que tal seja evidenciado na fatura da eletricidade da habitação permanente;
  • Ser proprietário e residir permanentemente na habitação para a qual se candidata;
  • Não ter sido beneficiário do programa “Vale Eficiência”.

Em que tipo de obras podem ser aplicados?

Os vales podem ser usados na substituição de janelas, de portas de entrada, na aplicação ou substituição de isolamento térmico em paredes exteriores ou interiores e em coberturas ou pavimentos.

Também podem ser usados para instalar sistemas de aquecimento do ambiente e de águas; sistemas solares térmicos; caldeiras e recuperadores a biomassa. Mas atente a um aspeto: tudo o que for adquirido, tem de ser de classe energética mínima igual a “A”.

Quais os documentos necessários para a candidatura?

As candidaturas são feitas online, através da plataforma do Fundo Ambiental. Nela serão requeridos:

  • Nome completo do titular de contrato de eletricidade (pessoa que se deve candidatar);
  • Morada de domicílio permanente para o qual se candidata;
  • Fatura de eletricidade mais recente que comprove que usufruiu de desconto da Tarifa Social de Energia Elétrica, devendo esta ser a do período anterior à submissão da candidatura;
  • Código de Ponto de Entrega (CPE);
  • Endereço de email válido;
  • Número de Identificação Fiscal (NIF);
  • Caderneta Predial Urbana (CPU) atualizada do edifício ou fração candidata, onde conste expressamente que o edifício ou a fração autónoma é propriedade ou copropriedade do candidato;
  • Certidão de não dívida do candidato perante a Autoridade Tributária e Aduaneira e à Segurança Social, válida, ou, preferencialmente, autorização para consulta da situação tributária, devidamente assinalada no formulário de preenchimento da candidatura.

 

 

Recomendadas

Equipamentos de aquecimento mais eficientes: quais os benefícios?

Referimo-nos a benefícios adicionais como o conforto térmico, a qualidade do ar, a redução do impacte ambiental ou a valorização do imóvel, cuja não consideração pode levar a que se subestime o real valor de melhorar o seu sistema de aquecimento.

Governo anuncia recrutamento de 200 trabalhadores para reforçar Autoridade Tributária

Autorização foi dada esta semana pelo ministro das Finanças. João Leão, e revelada esta terça-feira, pelo secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

Jantar de natal: como escolher o melhor bacalhau e polvo

Neste natal, é importante escolher bem o bacalhau ou o polvo que irá servir na ceia de natal. A DECO tem alguns conselhos para si.
Comentários