CAP pede profissionalismo na gestão dos fundos comunitários

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal, Eduardo Oliveira e Sousa, manifestou esta quarta-feira preocupação com a execução do Portugal 2020 e pediu reforço do profissionalismo na gestão dos fundos comunitários.

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa, manifestou esta quarta-feira preocupação com a execução do Portugal 2020 e pediu reforço do profissionalismo na gestão dos fundos comunitários.

Lamentando que, a cerca de dois anos e meio de terminar, o Portugal 2020 (PT2020) registe uma taxa de execução de 57%, o presidente da CAP considera que este valor demonstra a “nítida necessidade de olhar para o reforço do profissionalismo na gestão destas matérias”, apontando ao Programa de Recuperação e Resiliência (PRR) “que aí vem”.

Falando no final de uma audiência com o Presidente da República, que começou hoje a ouvir os parceiros socais, Eduardo Oliveira e Sousa salientou que o PRR “é a derradeira oportunidade” que o país tem para se modernizar e para “apostar na iniciativa das empresas”, não se focando apenas “nas questões de ajudas” do Estado ou das ajudas para fazer face aos problemas causados pela pandemia.

Além do PRR, o presidente da CAP adiantou ter levado para esta audiência a questão das florestas, aproveitando o facto de Marcelo Rebelo de Sousa ir participar num Conselho de Ministros, no dia 04 de março, dedicado a este setor.

O objetivo da CAP, precisou o presidente desta confederação, foi acentuar outras questões que afetam este setor para além do problema dos fogos florestais.

Questionado sobre o apelo do primeiro-ministro para que haja consenso em torno da pandemia e do PRR, o presidente da CAP referiu ter achado o pedido “curioso”, mas lembrou que a função dos parceiros sociais é defender os setores que representam.

“O que precisamos é que o Governo decida e resolva os problemas associados à pandemia para que todas as atividades empresariais se possam ir soltando deste confinamento asfixiante para a própria economia”, referiu, acentuando que o país não pode estar “confinado eternamente”, mas que o confinamento só pode acabar quando “tivermos uma resolução mais eficaz do combate à pandemia”.

Marcelo Rebelo de Sousa começou hoje a ouvir os parceiros sociais, sendo esta a primeira vez que o faz desde que foi reeleito no cargo, recebendo a Confederação do Turismo de Portugal (CTP), a UGT e a Confederação dos Agricultores de Portugal. Na quinta-feira recebe a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e a CGTP.

Ler mais
Recomendadas

PremiumMão de obra migrante é chave no agroalimentar

Trabalhadores estrangeiros são cruciais para o sector e são necessárias políticas de integração mais eficazes, defendem especialistas.

Jorge Coelho: “Quando era miúdo o meu avô comprava queijos da Serra e depois ia a Lisboa vendê-los”

O político e ex-governante passava dois dias por semana em Mangualde, a terra que nunca deixou. Morreu esta quarta-feira, mas o seu percurso – e os seus queijos – continuarão a ser uma referência. Histórias que partilhou com o Jornal Económico em março de 2017, na Serra.

PremiumEstá-se bem na Páscoa com cabrito assado

Está-se na Páscoa e a Páscoa, entre outras iguarias, exige cabrito à mesa. Com as restrições sanitárias e legais em curso, os restaurantes tentam dar a volta ao texto e chegar a casa dos consumidores da melhor forma possível.
Comentários