CAP quer debater teletrabalho no Código do Trabalho

A CAP considera que todas as propostas legislativas em discussão são “muito conservadoras e muito voltadas para o que está a acontecer, que é o teletrabalho no domicílio devido à pandemia”.

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) defendeu esta quinta-feira no parlamento que a nova legislação do teletrabalho não devia ser discutida durante a situação de pandemia, em que tem sido obrigatório, nem fora do Código do Trabalho.

A confederação empresarial assumiu esta posição numa audição parlamentar, com o grupo de trabalho criado no seio da Comissão de Trabalho e Segurança Social, que teve como objetivo a discussão das sete propostas de lei sobre o teletrabalho que estão na Assembleia da República (AR).

Consideramos que se deveria esperar pelo fim do teletrabalho obrigatório para fazer alterações legislativas relativamente a esta matéria e não nos parece que ela mereça um diploma avulso, invertendo o objetivo do Código do Trabalho, que era centralizar toda a legislação laboral”, disse à agência Lusa a chefe de gabinete do presidente da CAP, Cristina Morais.

Cristina Morais, que integrou a delegação da CAP na audição parlamentar, considerou todas as propostas legislativas em discussão “muito conservadoras e muito voltadas para o que está a acontecer, que é o teletrabalho no domicílio devido à pandemia“.

“Por isso defendemos que se devia esperar e depois poderíamos fazer alterações cirúrgicas no Código do Trabalho, para melhorar algumas coisas que estão pouco claras”, disse, acrescentando “o teletrabalho deve ser matéria para a contratação coletiva”.

A CAP não rejeitou a possibilidade de ser criado um subsídio para quem está em teletrabalho, mas defendeu que a próxima Lei do Orçamento do Estado deve fixar um valor para essa compensação, que esteja isento de impostos.

Cristina Morais disse ainda que a CAP concorda com “o direito do trabalhador à desconexão“, mas considerou que a proposta do Bloco de Esquerda relativamente a esta questão “não é razoável“, porque determina que o empregador não pode contactar o trabalhador fora do horário de trabalho, nem por telefone, nem por correio eletrónico.

Recomendadas

Ministério da Agricultura abre primeiros avisos no âmbito do PRR

Executivo tem 93 milhões de euros para implementar a agenda “Terra Futura” e garantir a transição ecológica, climática e digital do setor.

Vinhos do Tejo cresceram 36% na exportação

Na primeira metade deste ano, os principais mercados de exportaçãod os vinhos do Trejo foram a Suécia, o Brasil, a Polónia, a França, os Estados Unidos da América e a China..

Produção de pera em Portugal dispara 40% este ano

Este valor faz com que sejam recuperados níveis de produtividade acima da média dos últimos cinco anos.
Comentários