Cardeal Patriarca de Lisboa cancela encontro com André Ventura

André Ventura confessou ao jornal SOL que se trata de “um dos episódios mais tristes da minha vida política”, e que se sente desiludido “pelo facto de a Igreja ter cedido ao politicamente correto e aos poderes instituídos», acrescentou o líder do Chega”.

andre_ventura_manifestação_policias
José Sena Goulão/Lusa

D. Manuel Clemente mandou cancelar o encontro que estava agendado para a passada sexta-feira, dia 21 de fevereiro, com André Ventura. De acordo com o jornal SOL, este domingo, a confirmação foi dada por ambas as partes. O líder do Chega terá ainda informado o jornal de que o Patriarcado lhe terá comunicado que não teria nova data disponível.

Porém, na nota oficial do gabinete de D. Manuel Clemente a que o jornal teve a acesso a história é outra: “Na data em que essa informação foi comunicada à assessoria do senhor deputado, ficou acordado que se marcaria nova data para a realização da mesma e já foram feitas diligências nesse sentido”.

Algumas fontes próximas de D.Manuel Clemente informaram ao SOL que o cancelamento da audiência coincidiu com a polémica gerada em torno das posições de Ventura sobre o caso de insultos racistas contra um jogador de futebol do F.C. Porto – Moussa Marega- na partida de futebol entre o FC Porto e o Vitória de Guimarães. O caso marcou a agenda política dos primeiros dias desta semana.

O Patriarcado desmente, contudo, que o cancelamento da audiência tenha resultado desta polémica. “A audiência prevista para hoje [ontem], 21 de fevereiro, foi adiada, exclusivamente por motivos de agenda do Senhor Cardeal-Patriarca. Em nada esteve relacionado com o motivo que refere”, acrescenta-se numa resposta oficial enviada ao SOL.

Ao jornal, André Ventura confessa que se trata de “um dos episódios mais tristes da minha vida política”, e que escreveu uma carta ao Patriarca onde expressou desilusão “pelo facto de a Igreja ter cedido ao politicamente correto e aos poderes instituídos», acrescentou o líder do Chega”.

Recomendadas

Bloco de Esquerda pergunta ao Governo se vai impedir distribuição de dividendos da Galp

O Bloco defende que a distribuição de dividendos pela Galp deve ser travada pelo Governo e que o dinheiro deve servir para ajudar a empresa a retomar a sua produção nas refinarias de Sines e Matosinhos depois do fim da crise provocada pela Covid-19.

Reforma antecipada sem penalização em estudo para funcionários da TAP

Pacote de resgate do setor de aviação vai incluir ainda isenções de taxas, o diferimento da TSU e de impostos, e empréstimos com aval do Estado.

Governo preparado para manter estado de emergência até 17 de maio

Incerteza na evolução da pandemia adia “regresso à normalidade”, com escolas fechadas pelo menos até ao início de maio e manutenção das normas de isolamento social a agravarem crise económca.
Comentários