Carga fiscal atinge novo recorde de 34,8% em 2020, diz INE

A carga fiscal que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, aumentou em 2020 e atingiu os 34,8% do PIB, um novo recorde que fica acima dos 34,6% projetados pelo Governo, revelou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística. A carga fiscal representou 70,4 mil milhões de euros no ano passado, sendo este o montante mais elevado de sempre desde pelo menos 1995, ano do início da série disponibilizada pelo INE.

A carga fiscal situou-se em 34,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, segundo os dados divulgados nesta terça-feira, 11 de maio, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). De acordo com o INE, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, foi de 70,4 mil milhões de euros, o valor mais elevado desde 1995.

“Em 2020, a carga fiscal diminuiu 4,7% em termos nominais, atingindo 70,4 mil milhões de euros, o que corresponde a 34,8% do PIB (34,5% no ano anterior). Portugal manteve em 2020 uma carga fiscal significativamente inferior à média da União Europeia (-3,8 pontos percentuais, p.p.)”, revela o INE.

O organismo de estatística já tinha revelado em março os dados que revelavam que a carga fiscal se mantinha em máximos de 1995, confirmando-se agora os 34,8% acima da estimativa de 34,6% do Governo inscrita no Programa de Estabilidade.

Medida em percentagem do PIB, a carga fiscal registada em 2020 é a mais elevada desde 1995, sendo que os valores hoje divulgados pelo INE reveem em baixa o anteriormente projetado para 2019, que recua de 34,8% para 34,5%.

O INE explica que “a evolução negativa da carga fiscal em 3.461 milhões de euros traduziu sobretudo o comportamento das receitas do IVA e do IRC, que diminuíram 1.994 milhões de euros e 1.129 milhões de euros, respetivamente”. Pelo contrário, diz, as receitas com o IRS e as contribuições sociais efetivas aumentaram, 419 milhões de euros no primeiro caso e 237 milhões de euros no segundo. “Esta evolução positiva apesar da contração da atividade económica esteve associada a medidas de política económica visando minorar o impacto no emprego e nos salários da Pandemia, como o regime de lay-off simplificado”, conclui.

Por grandes componentes da carga fiscal, verifica-se que as contribuições sociais (efetivas) aumentaram 1,2%, tendo esta evolução sido contrabalançada pela descida dos impostos indiretos (-9,0%) e dos impostos diretos (-3,7%).

Portugal é 8º país com menor carga fiscal

Segundo o INE, excluindo os impostos recebidos pelas Instituições da União Europeia, Portugal continuou a apresentar uma carga fiscal (34,6%) inferior à média da União Europeia, que se cifrou em 40,4%.

Em 2020, entre os 27 Estados-membros (levando já em conta a saída do Reino Unido), Portugal foi o 8º com menor carga fiscal, um registo inferior, por exemplo, ao da Espanha (36,6%), da Grécia (38,6%) e da Itália (42,8%).

O Governo esperava uma redução da carga fiscal devido à crise económica, em que a receita fiscal tende a cair mais do que a contração do PIB. Mas, ao contrário do esperado, a carga fiscal voltou a subir para um novo recorde.

A receita pública que conta para a carga fiscal (receita fiscal e contributiva) contraiu 4,7%, abaixo da redução histórica de 7,6% do PIB em 2020. Um desempenho que acaba por refletir a resiliência do mercado de trabalho, apontada como uma das razões para a subida da carga fiscal num ano marcado pelos efeitos da pandemia na economia ainda que sem registo de ter de uma subida generalizada dos impostos.

Segundo o INE, “pela primeira vez desde 2012, a carga fiscal apresentou um decréscimo nominal face ao ano anterior (-4,7%), refletindo os impactos negativos da pandemia covid-19 na atividade económica e as medidas de política económica tomadas”.

Em 2020, as receitas fiscais das Administrações Públicas reduziram-se em cerca de 3,5 mil milhões de euros relativamente ao ano anterior, atingindo 70,4 mil milhões de euros.

O INE salienta que, no entanto, como a variação nominal do PIB em 2020 foi acentuadamente negativa (-5,4%), excedendo a redução da carga fiscal, este indicador aumentou de 34,5% em 2019 para 34,8% em 2020.

De acordo com os dados divulgados pela autoridade estatística nacional esta terça-feira, as receitas tributárias (impostos sobre os rendimentos, de produção e importação e de capital) totalizaram 49.575,6 milhões de euros em 2020, menos do que os 53.273,5 milhões de euros de 2019.

O valor das receitas tributárias de 2020 é também inferior ao de 2018, ano em que estas atingiram 51.982,3 milhões de euros e a carga fiscal se fixou em 34,7% do PIB.

Já as contribuições sociais efetivas das famílias ascenderam a 8.284,3 milhões de euros, sendo este o valor mais elevado desde o início da série disponibilizada pelo INE.

As Administrações Públicas registaram um défice de 5,7% do PIB em 2020, em contabilidade nacional, correspondente a 11.501,1 milhões de euros, regressando a terreno negativo após o excedente de 2019. Após ter registado em 2019 o primeiro excedente das contas públicas desde 1973, com um saldo positivo de 0,1% do PIB, a economia portuguesa regressa a uma situação deficitária em 2020, um ano em que o cenário económico ficou fortemente marcado pelos efeitos da pandemia.

IRS foi a principal contribuição para receita

De acordo com os dados do INE, a receita com impostos diretos diminuiu 3,7%, refletindo sobretudo a evolução da receita do imposto sobre o rendimento de pessoas coletivas (IRC) de -17,9%. Pelo contrário, a receita do imposto sobre o rendimento de pessoas singulares (IRS) cresceu 3,1% refletindo nomeadamente as medidas de proteção do emprego e das remunerações no contexto pandémico. Por razões semelhantes, as contribuições sociais efetivas mantiveram uma variação positiva (1,2%).

Já os impostos indiretos, com um decréscimo de 9%, constituíram a componente que mais contribuiu para a redução da receita fiscal. A receita com o imposto sobre o valor acrescentado contraiu-se 10,6%, destacando-se ainda, entre os restantes impostos indiretos, a variação negativa da receita com o imposto sobre produtos petrolíferos e energéticos (-9,4%). Registaram-se também decréscimos nas receitas com o imposto municipal sobre as transmissões onerosas de imóveis (-6,1%), com o imposto de selo (-4,1%), com o imposto municipal sobre imóveis (-1,7%) e com o imposto sobre o tabaco (-0,6%). A redução mais significativa (-39,8%) ocorreu na receita com o imposto sobre veículos que regressou ao nível de 2014.

O INE destaca ainda que em 2018, ano mais recente com a informação detalhada necessária para o seu cálculo, o ‘gap’ do IVA foi estimado em 415 milhões de euros, o que equivale a 2,3% do IVA cobrado no ano, traduzindo uma diminuição de 0,5 pontos percentuais face a 2017 (481 milhões de euros). O ‘gap’ do IVA mede a diferença entre o chamado IVA teórico, isto é, o IVA que resultaria de aplicar as taxas legais ao volume de bens e serviços transacionados implícitos nas contas nacionais, e o IVA efetivamente cobrado.

Governo estima que carga fiscal recue de 34,6% em 2020 para 33,0% em 2022

Segundo o Programa de Estabilidade (PE) para 2021/2025, divulgado a 16 de abril, em que são apresentadas as novas projeções macroeconómicas do Governo para o corrente ano e seguintes, estima-se que a carga fiscal recue quase um ponto percentual entre 2020 e 2021, baixando de 34,6% do PIB para 33,7%.

A carga fiscal considerada para 2020 é inferior ao valor provisório para este indicador divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) em 26 de março, segundo o qual se terá situado em 34,8% do PIB, o mais alto de sempre desde pelo menos 1995 – ano de início da série disponibilizada pela autoridade estatística.

Em entrevista à Lusa, no final de março, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, referiu, a propósito de a carga fiscal ter registado em 2020 o valor mais elevado de sempre que tal se explica pelo facto de a atividade económica ter descido mais do que a receita fiscal e contributiva.

Recomendadas

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.
Comentários