Carlos Alexandre quer Supremo a avaliar alegada violação do segredo de Justiça de António Costa

Em causa está a divulgação das cem respostas do primeiro-ministro no caso Tancos. Nas respostas sobre o assalto e posterior recuperação do material roubado, o primeiro-ministro, António Costa, diz que não pode explicar factos que não eram “do seu conhecimento” e sobre os quais não teve “qualquer domínio”. As perguntas foram enviadas a 24 de janeiro.

António Costa Assina OE2020

O Ministério Público (MP), a pedido do juiz Carlos Alexandre, quer que o Supremo Tribunal avalie a alegada violação do segredo de Justiça de António Costa, apurou a RTP, esta sexta-feira. Em causa está a divulgação das cem respostas do primeiro-ministro no caso Tancos.

O juiz decidiu remeter para o MP no Supremo uma certidão neste âmbito depois de a Procuradora de primeira instância lhe ter dito que não tinha competência nesta matéria, avança a SIC, esta tarde. O Ministério Público, junto do Supremo, vai ter agora de decidir se abre ou não inquérito à eventual violação. O Supremo Tribunal de Justiça é a instância que tem competência quanto se trata do chefe do Governo, esclarece a RTP.

Carlos Alexandre tinha, a 5 de fevereiro, alertado o MP da primeira instância para uma eventual violação do segredo de justiça face à divulgação, no site do Governo, das 100 respostas de António Costa às suas questões no processo.

O magistrado judicial alegou no despacho enviado ao Ministério Público que o caso está em segredo de justiça externo e solicitou ao Ministério Público que se pronunciasse sobre esta divulgação.

“Tendo consciência de que os autos se encontram em segredo de justiça externo e dado que tomei conhecimento de que, na página oficial da Presidência do Conselho de Ministros foi decidido publicar cópia (…) alegadamente idêntica às respostas contidas no depoimento escrito que ontem foi recepcionado no Tribunal, após as 16h (…), notifique-se o Ministério Público, para se pronunciar sobre esta divulgação, da qual se juntará um print que ora lhe apresento”, escreveu Carlos Alexandre, na altura.

O primeiro-ministro respondeu por escrito, como testemunha arrolada pelo ex-ministro da Defesa e arguido Azeredo Lopes, às 100 perguntas formuladas pelo juiz que dirige a fase de instrução do processo sobre o furto e a recuperação das armas dos paióis de Tancos. Nas respostas sobre o assalto a Tancos e posterior recuperação do material roubado, o primeiro-ministro, António Costa, diz que não pode explicar factos que não eram “do seu conhecimento” e sobre os quais não teve “qualquer domínio”. As perguntas foram enviadas a 24 de Janeiro.

Ler mais
Relacionadas

Tancos: MP confirma notificação de juiz Carlos Alexandre, após divulgação de respostas de António Costa

A PGR confirma que o juiz Carlos Alexandre pediu ao Ministério Público para se pronunciar sobre a divulgação, no site do Governo, das respostas de António Costa na instrução do processo de Tancos. Em causa poderá estar uma alegada violação do segredo de justiça externo, mas PGR remete resposta no âmbito do processo, não avançando se irá abrir um inquérito ao primeiro-ministro.
António Costa Assina OE2020

Teve conhecimento de que se tratava de uma recuperação encenada? “Não”, diz António Costa a juiz

O primeiro-ministro, António Costa, já respondeu às perguntas do juiz de instrução Carlos Alexandre sobre o processo de Tancos, num depoimento escrito de 19 páginas entregue no tribunal, Costa assegura que em algum momento teve conhecimento que em causa estava uma recuperação encenada das armas encontradas na Chamusca.

Juiz Carlos Alexandre pede a MP que se pronuncie sobre divulgação de respostas de António Costa

Num despacho desta tarde, Carlos Alexandre refere que os autos se encontram em segredo de justiça externo e que, depois de ter tido conhecimento de que foi publicado na página da presidência do Conselho de Ministros uma cópia das respostas do depoimento escrito de António Costa, que o tribunal recebeu na terça-feira, decidiu notificar o Ministério Público para se pronunciar sobre a divulgação.
Recomendadas

Vaz das Neves utilizou Tribunal da Relação de Lisboa para ganhar 280 mil euros em julgamento privado

Em causa estava um litígio entre o grupo Altis e o fundo de investimento Explorer relacionado com o Altis Park, uma unidade hoteleira situada nas Olaias, em Lisboa.

Operação Lex: Conselho da Magistratura recusa presença de sindicato de juízes em reunião plenária

A Associação Sindical dos Juízes anunciou hoje que pediu para estar representada na próxima reunião plenária do Conselho Superior da Magistratura que vai discutir o caso dos sorteios eletrónicos do Tribunal da Relação de Lisboa e analisar os primeiros resultados das averiguações.

Operação Lex: Juiz Vaz das Neves arguido por corrupção e abuso de poder

A mesma fonte adiantou à agência Lusa que o juiz desembargador, jubilado desde 2016, tem como medida de coação termo de identidade e residência.
Comentários