Carlos Brandão deixa presidência do Bankinter

O presidente executivo da sucursal portuguesa do banco espanhol abandonou o cargo e vai “abraçar novos projetos”.

Pouco mais de um ano depois de o Bankinter ter oficializado a compra do negócio de retalho do Barclays Portugal, por 86 milhões de euros, regista-se a primeira saída. O presidente executivo do Bankinter em Portugal, Carlos Brandão, deixou há cerca de um mês a presidência do banco, soube o Jornal Económico. O antigo responsável abandonou a liderança da filial portuguesa por opção própria e vai dedicar-se a outras iniciativas profissionais.
Questionado sobre o anúncio da saída, Carlos Brandão confirmou ao Jornal Económico que irá “abraçar novos projetos profissionais”, mas não adiantou pormenores sobre os próximos planos de carreira.

O diretor geral da banca comercial do Bankinter, Fernando Moreno, é o novo responsável, por tempo indeterminado. A instituição financeira espanhola optou por uma solução interina através de um membro do comité diretivo e, assim que for tomada uma decisão final sobre o novo dirigente, o banco irá transmitir publicamente a solução encontrada.
O antigo country manager do Barclays Portugal é o mais recente dirigente a juntar-se ao entra e sai do setor bancário português, após Fernando Ulrich ter deixado a presidência do BPI, no passado mês de abril. Apesar de Carlos Brandão ter posto fim às funções no banco, uma fonte oficial garante que a aposta da instituição em Portugal mantém-se, bem como os restantes membros da administração.

“Queremos manter o nível de produção em crédito habitação que temos atualmente e temos disponibilidade para crescer na concessão de crédito às empresas. Vamos lançar novas soluções para os clientes em 2017 e continuaremos a investir em tecnologia para servir ainda melhor os nossos clientes”, afirmou o agora ex-CEO, aquando do balanço do primeiro aniversário em território nacional.

O ano tem sido marcado pelo reforço da presença do Bankinter nas empresas e pela grande aposta no crédito à habitação, para a qual encetou uma forte campanha nacional. Em maio, o banco anunciou o início de atividade em Portugal da sua filial de crédito ao consumo, o Bankinter Consumer Finance.

Entre janeiro e março, o Bankinter teve um lucro de 124,4 milhões de euros, o que significa um aumento de 18,7% em relação ao mesmo período de 2016, impulsionado pelos resultados obtidos na operação que tem em Portugal. Os ativos totais do grupo, incluindo o negócio no nosso país, eram de 69.596 milhões de euros no final do primeiro trimestre, um acréscimo de 13% comparativamente aos resultados do ano anterior.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

Lucros de seis bancos em Angola afundam 28% no primeiro semestre

A crise que se instalou neste país africano obrigou as instituições bancárias a procurem alternativas de negócios que os permitisse maximizar os seus resultados

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Bundesbank alerta que economia alemã pode estar a entrar em recessão

O Bundesbank, banco central alemão, alertou esta segunda-feira que a economia alemã, a maior da Europa, pode estar a recuar durante os meses de verão, depois da contração já registada no segundo trimestre, aumentando a possibilidade de entrar em recessão.
Comentários