Carlos Ghosn exige reforma anual de 800 mil euros à Renault

O ex-presidente da empresa francesa reivindica esta pensão anual e ações derivado dos resultados obtidos em 2015 e nos anos seguintes.

O ex-presidente da construtora automóvel Renault, Carlos Ghosn, pretende  reivindicar uma pensão de cerca de 800 mil euros por ano e ações derivado dos resultados obtidos em 2015 e nos anos seguintes, segundo revela o jornal espanhol “Expansión” esta sexta-feira, 21 de fevereiro.

A questão passa por determinar se o abandono das responsabilidades de Ghosn em janeiro de 2019, quando foi detido em Tóquio, acusado de fraude e peculato na Nissan, foi uma renúncia, como a Renault afirma ou não.

De acordo com a versão do ex-CEO, a sua saída deveu-se “para permitir que a Renault funcionasse normalmente” algo que não era possível na medida em que estava preso desde novembro de 2018, mas “dizer que é uma renúncia, é desvirtuar a realidade”. Esta ação já deverá ser em breve formalizada pelos seus advogados e esclarecida perante o Tribunal Comercial de Paris.

Esta não é contudo a única exigência financeira que Carlos Ghosn está a pedir à Renault. O ex-presidente pretende 250 mil euros (equivalente a três meses de salário) porque, quando deixou a empresa há pouco mais de um ano, tinha 22 anos como empregado.

A audiência perante a Magistratura do Trabalho será realizada a 17 de abril. No entanto, a Renault argumenta que, desde 2005, Carlos Ghosn deixou de ser um empregado assalariado quando assumiu o cargo de CEO.

Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários