Carlos Moedas: “A unanimidade em tudo está a destruir a União Europeia”

O social-democrata Carlos Moedas diz estar preocupado com a ascensão dos movimentos populistas na UE e considera que a maioria qualificada é uma boa forma para travar a impugnação das votações por parte daqueles que querem acabar com o projeto europeu.

Cristina Bernardo

O comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, defendeu esta terça-feira que a regra da unanimidade, que obriga ao consenso entre todos os Estados-membros para a aprovação de medidas, está “a destruir a União Europeia”. O social-democrata Carlos Moedas diz estar preocupado com a ascensão dos movimentos populistas na UE e considera que a maioria qualificada é uma forma para travar a impugnação das votações por parte daqueles que querem acabar com o projeto europeu.

“A minha experiência é que a unanimidade em tudo está a destruir o processo de decisão e está a destruir a própria Europa”, afirmou o comissário europeu, numa conferência de imprensa promovida pela Abreu Advogados. Carlos Moedas diz que para os países estarem na UE é preciso perceber que, apesar de nem sempre estarem de acordo com todas as medidas que são tomadas, têm de vestir a camisola e “fazer parte do clube”, porque dizer que se pode travar tudo e que fazer tudo o que cada país quer “não funciona”.

O comissário europeu lembra que, nos tratados europeus, está prevista a maioria qualificada e ter uma minoria de bloqueio de quatro países e que essa deve tornar-se uma prática recorrente. “O que se passou como os refugiados foi uma vergonha. A Comissão Europeia diz ‘vamos criar um sistema de partilha’ e cada um olhou para o lado e disse ‘não, não, vou resolver a coisa em casa'”, afirmou Carlos Moedas.

“[Os populistas] querem desmantelar um método comunitário que demorou tantos anos a construir e cujo interesse é o interesse comum das pessoas e não o interesse de apenas um país. Defendem apenas um método unilateral: os países sentam-se à mesa e cada um decide por si. Mas não pode ser assim”, referiu.

O social-democrata, que assumiu o papel de mandatário da campanha da lista do PSD às europeias, diz que o crescimento de movimentos populistas na Europa é um dos grandes desafios da UE. “O perigo não tem a ver com o facto de o presidente Juncker ter vindo dizer que quer uma comissão política, tem a ver com estes países [que onde predomina o crescimento do populismo] que vão nomear pessoas para destruir o projeto europeu. E isso é preocupante. Uma coisa é ter deputados que querem destruir o projeto europeu e outra é ter comissários e isso pode ter um impacto muito negativo para o futuro da UE”.

“Os deputados populistas não fazem absolutamente nada. Não vão às reuniões, não fazem relatórios, não participam e as pessoas votam nestas pessoas que não fazem absolutamente nada”, afirmou.

Carlos Moedas defendeu ainda que a UE está hoje sob dois pêndulos: “a nível mundial, o multilateralismo está em crise e vem trazer o multilateralismo para o bilateralismo e, na Europa, estamos a ir do método comunitário para o método intergovernamental, método esse que péssimo”.

O ex-secretário de Estado diz ainda que “a melhor experiência” da sua vida foram estes cinco anos como comissário europeu. “Mas tudo tem um ciclo e esse ciclo chega ao fim. É normal que chegue ao fim, mas essa é uma decisão de uma pessoa: o primeiro-ministro em funções. Mas penso que o futuro como o vejo está em Portugal”, afirmou, dando conta de que tem “vontade de voltar” para Portugal.

Ler mais
Recomendadas

Presidente Marcelo: “Votar amanhã é não desistir da liberdade de mandar no nosso futuro”

O Presidente da República apelou hoje aos portugueses para irem votar nas eleições europeias de domingo.

Presidente da República quer CPLP com posição comum sobre oceanos

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que os países da CPLP devem alinhar posições sobre os oceanos antes da conferência da ONU dedicada ao tema, que terá lugar em Lisboa no próximo ano.

Fernando Medina diz que UE precisa de “reparar” união económica e monetária

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o grande desafio, nos próximos anos, a nível europeu, é haver um entendimento sobre como “reparar” a União Económica e Monetária, uma questão por resolver dez anos após a crise.
Comentários