Carlos Moedas defende “reforma profunda” no sistema educativo e segurança social

O antigo secretário de Estado de Passos Coelho considera que inovação deve orientar as políticas públicas e ser o “motor” do bem-estar social e do desenvolvimento do país e deve ser feita uma aposta nas qualificações que cruzem “o mundo físico e o mundo digital”.

Cristina Bernardo

O ex-comissário europeu Carlos Moedas defendeu esta segunda-feira que Portugal deveria fazer uma “reforma profunda” no sistema educativo e na segurança social. O antigo secretário de Estado considera que inovação deve orientar as políticas públicas e ser o “motor” do bem-estar social e do desenvolvimento do país e deve ser feita uma aposta nas qualificações que cruzem “o mundo físico e o mundo digital”.

“As políticas públicas que hoje mais do que nunca precisamos é ter uma reforma profunda do sistema educacional, (..,), é ter uma reforma profunda da nossa segurança social que permita ajudar os que mais precisam e garantir as futuras reformas e pensões”, afirmou Carlos Moedas, num debate realizado em formato misto (presencial e online) pelo Instituto Sá Carneiro, associação de reflexão e formação política ligada ao PSD.

Segundo Carlos Moedas, a inovação é “o motor do nosso bem-estar” e é “aquilo que nos somos e que podemos fazer pela nossa economia para viver melhor”, mas sublinha que, muitas vezes, é um tema “pouco percebido”. No entanto, o ex-comissário europeu explicou que, nos últimos meses, como o aparecimento da pandemia da Covid-19, os países foram obrigados a adotar mudanças e a tornarem-se mais inovadores para fazer face à pandemia.

“Vimos uma transformação completa da educação que nunca tínhamos visto nos últimos 50 anos. A educação passou a estar entre o mundo físico e digital e algumas universidades já disseram que as grandes palestras não voltarão a ser presenciais”, salientou, considerando que esta inovação disruptiva vai ter consequências no papel do professor no futuro, que passará a ser, sobretudo, “de tutor, de ajudar a resolver problemas”.

Carlos Moedas considera que “os políticos não podem criar emprego” e que “o que cria é esta inovação disruptiva”. “Temos de pensar quais as medidas de políticas públicas que podem ter para a favorecer”, defendeu, assinalando que são essas políticas públicas que estão no “ADN da social-democracia”, que coloca no centro “a pessoa humana”.

“Francisco Sá Carneiro [fundador e ex-líder do PSD] sempre nos disse e apostou, durante todo aquele que foi o seu mandato enquanto primeiro-ministro, que a educação era o futuro do país, que a solidariedade era essencial, mas que a pessoa estaria sempre ao centro daquilo que é a política, daquilo que é o nosso futuro”, frisou.

O antigo secretário de Estado do ex-líder do PSD Passos Coelho defendeu ainda que os cidadãos que conseguirem “navegar melhor” nestas duas realidades, física e digital, serão “os melhores profissionais”.

Este foi o primeiro debate de uma iniciativa ‘Sá Carneiro Talks’, integrada no programa do Instituto Sá Carneiro, que assinala o 40.º aniversário da morte do fundador do partido. Além de Carlos Moedas, participaram também na iniciativa a eurodeputada do PSD Lídia Pereira, Miguel Pina Martins, CEO da Science4You, Ricardo Acto, vice-presidente de Operações do Rock in Rio, e João Trigo da Roza, presidente da Associação Portuguesa de Business Angels.

Ler mais
Recomendadas

Iniciativa Liberal vê Plano de Resiliência como “indício de uma oportunidade perdida”

João Cotrim Figueiredo reagiu ao Plano de Recuperação e Resiliência com críticas ao “dirigismo” e “aspetos propagandísticos” de um documento em que apenas um terço das verbas se destinam a investimento reprodutivo, com recapitalização das empresas e geração de emprego.

Jerónimo aconselha uma “tripla” quanto ao seu futuro como líder do PCP

O secretário-geral comunista, 73 anos, e há 16 no cargo, repetiu que a questão da liderança não será um problema no congresso, garantiu que o processo quanto aos órgãos dirigentes e a escolha do líder é “um processo dinâmico” e que “não está fechado”.

PS quer conhecer a opinião do BCE sobre a auditoria da Deloitte ao Novo Banco

O grupo parlamentar do PS quer que o Banco de Portugal e o Novo Banco enviem a carta do Banco Central Europeu, referida por António Ramalho na audição no Parlamento, sobre a auditoria da Deloitte. Pedido é votado na quarta-feira.
Comentários