Carlos Moedas: “Precisamos de mais técnicos e engenheiros a regular e não tanto de advogados”

Carlos Moedas aponta que a legislação referente à proteção de dados foi um passo importante e que é um bom exemplo em como se pode regular nesta área com alguma eficácia.

Cristina Bernardo

Para regular a internet, não precisamos de mais advogados mas sim de técnicos e engenheiros, defendeu Carlos Moedas, Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, no último dia da Web Summit, no painel onde se debateu o papel tecnologia para revitalizar a democracia.

“Daqui a 50 anos, podem encarar a regulação que está agora a ser posta em prática e exclamar: o que é que eles fizeram? A verdade é que quando se regula a tecnologia, estamos a regular o futuro e para sermos mais eficazes temos quer ter mais técnicos e engenheiros a fazê-lo, em vez de especialistas em advocacia”, defendeu o comissário português.

Carlos Moedas aponta que a legislação referente à proteção de dados foi um passo importante e que é um bom exemplo em como se pode regular nesta área com alguma eficácia.

Quanto às ‘fake news’, o comissário europeu foi taxativo: “não tem a ver com os dados, tem que existir um trabalho conjunto e contínuo. As plataformas têm claramente que ser mais responsáveis”.

O português deu um exemplo referente ao artigo 15, referente às leis do copyright. “O facto de existirem informações a circular de que este artigo 15 iria acabar com a internet é bom exemplo como as ‘fake news’ são eficazes e perigosas. Houve um dia em que cheguei a casa e o meu filho perguntou-me porque é que eu queria acabar com a internet”.

Filtrar a informação é essencial na perspetiva de Carlos Moedas: “têm que existir filtros quando se trata de pornografia infantil e terrorismo. Não há a mínima dúvida sobre isto. Mas atenção: os políticos não podem fazer tudo sozinhos. Se é possível regular os grandes players tecnológicas? Sem dúvida”.

Ler mais
Recomendadas

Os números que contam nas legislativas do Reino Unido a 12 de dezembro

Esta quinta-feira encerra o prazo de inscrição dos candidatos e pelo menos 79 deputados não se vão recandidatar.

Javier Tebas: “Receitas televisivas? 42% do valor vem de fora de Espanha”

O presidente da Liga espanhola, Javier Tebas, falou ao Jornal Económico sobre o processo de digitalização ao qual foi sujeita a La Liga. Este dirigente explicou ao JE como a La Liga se tornou um campeonato global com quase metade das receitas televisivas a virem de fora de Espanha.

Partido do Brexit recua para favorecer conservadores nas eleições

Nigel Farage não vai apresentar candidatos às legislativas britânicas de 12 de dezembro em quase metade dos círculos. “O que vamos fazer é concentrar os nossos esforços”, afirma.
Comentários