Carlos Moedas: “Precisamos de mais técnicos e engenheiros a regular e não tanto de advogados”

Carlos Moedas aponta que a legislação referente à proteção de dados foi um passo importante e que é um bom exemplo em como se pode regular nesta área com alguma eficácia.

Cristina Bernardo

Para regular a internet, não precisamos de mais advogados mas sim de técnicos e engenheiros, defendeu Carlos Moedas, Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, no último dia da Web Summit, no painel onde se debateu o papel tecnologia para revitalizar a democracia.

“Daqui a 50 anos, podem encarar a regulação que está agora a ser posta em prática e exclamar: o que é que eles fizeram? A verdade é que quando se regula a tecnologia, estamos a regular o futuro e para sermos mais eficazes temos quer ter mais técnicos e engenheiros a fazê-lo, em vez de especialistas em advocacia”, defendeu o comissário português.

Carlos Moedas aponta que a legislação referente à proteção de dados foi um passo importante e que é um bom exemplo em como se pode regular nesta área com alguma eficácia.

Quanto às ‘fake news’, o comissário europeu foi taxativo: “não tem a ver com os dados, tem que existir um trabalho conjunto e contínuo. As plataformas têm claramente que ser mais responsáveis”.

O português deu um exemplo referente ao artigo 15, referente às leis do copyright. “O facto de existirem informações a circular de que este artigo 15 iria acabar com a internet é bom exemplo como as ‘fake news’ são eficazes e perigosas. Houve um dia em que cheguei a casa e o meu filho perguntou-me porque é que eu queria acabar com a internet”.

Filtrar a informação é essencial na perspetiva de Carlos Moedas: “têm que existir filtros quando se trata de pornografia infantil e terrorismo. Não há a mínima dúvida sobre isto. Mas atenção: os políticos não podem fazer tudo sozinhos. Se é possível regular os grandes players tecnológicas? Sem dúvida”.

Ler mais
Recomendadas

DGS confirma 42 infetados em fábrica no Carregado

A diretora-geral de Saúde fez um balanço dos três surtos em Lisboa, anunciando que a situação no IPO de Lisboa está “completamente estabilizada”. Fábrica no Carregado confirma 42 casos confirmados por Covid-19.

Mais de 569 mil mortos e quase 13 milhões de infetados no mundo

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a pelo menos 569.135 pessoas e infetou quase 13 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

Infografia | Covid-19: ponto de situação em Portugal a 13 de julho

Veja aqui a evolução do novo coronavírus em Portugal, com os indicadores disponibilizados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).
Comentários