PremiumCarlos Zorrinho: “OE foi muito tático na forma como foi discutido e votado”

Eurodeputado eleito pelo PS entende que as abstenções do BE, PCP, PEV e Livre mostram vontade de continuar a negociar com o Governo. E defende uma transição digital e energética “mais justa” e concorda com propostas de redução do IVA da eletricidade.

A saúde e transição digital são duas das áreas destacadas no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) e sobre as quais Carlos Zorrinho tem trabalhado no Parlamento Europeu. Em entrevista ao JE, o eurodeputado eleito pelo PS diz que não basta aumentar as verbas orçamentais para a saúde e defende uma maior cooperação comunitária ao nível da transição digital e energética. Fala ainda da votação da proposta orçamental e sublinha que este terá de ser “um orçamento do PS, com a consciência de que tem apenas 108 deputados, ou seja, não tem maioria absoluta”.

Surpreendeu-o a forma como foi votado o OE na generalidade?
Este OE vem na sequência de quatro outros orçamentos, que têm a característica de se terem cumprido. Solidificaram uma perspetiva social e foram equilibrados na receita e despesa, o que aumentou a credibilidade do país. Mas não fico surpreendido que a mesma maioria que viabilizou os orçamentos anteriores tenha permitido viabilizar um orçamento que, não sendo de continuidade – tem um salto qualitativo importante porque consegue o primeiro superávite da democracia – é um orçamento que aposta muito na dimensão do investimento e na dimensão social.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Tem uma PME? Saiba como continuar a trabalhar com o Brexit

O Acordo de Saída prevê um período transitório, até 31 de dezembro de 2020, durante o qual prevalecerão as atuais regras do Mercado Único Europeu e da União Aduaneira.

António Costa diz que aprovação do Orçamento é “meio caminho andado” para a legislatura correr bem 

“Ao contrário do que alguns receavam, não tem uma única medida de retrocesso de qualquer dos avanços alcançados nos últimos quatro anos. Ao contrário do que alguns receavam, não nos faz ficar parados ou a marcar passo”, referiu.

“Acordo do Reino Unido com a UE em 11 meses é pouco provável”

Após a saída do Reino Unido da UE no passado 31 de janeiro, Ricardo Evangelista, analista da ActivTrades em Londres, encarou com pessimismo a possibilidade de um acordo em 11 meses entre britânicos e instituições europeias.
Comentários