Carros elétricos. Portugal entre os países da União Europeia com mais carregadores

Segundo os dados da Associação Europeia de Construtores de Automóveis, Portugal tem cerca de 15 carregadores por 100 quilómetros, um valor que não se reflete no resto da União Europeia. Em 10 países da UE, um consumidor terá que percorrer 100 km até encontrar um carregador.

Para os consumidores que têm preocupações sobre o número de postos de carregamento para veículos elétricos em Portugal, saiba que existem 15 por cada 10 quilómetros em território nacional. Os dados são avançados pela Associação Europeia de Construtores de Automóveis (ACEA) que colocam Portugal em quarto lugar entre os 27 países da União Europeia.

Ainda assim, a associação alerta para “uma séria falta de postos de carregamento” em maioria dos Estados-membros — existem pelo menos 10 países que não têm nem um carregador por cada 100 quilómetros algo que poderá estar relacionado por haver uma fraca representação deste tipo de carros no mercado automóvel. Segundo a ACEA, a participação de mercado de carros elétricos é inferior a 3%, com excepção da Hungria.

Há, ainda, 18 Estados-membros da União Europeia (UE) que têm menos de cinco pontos de carregamento a cada 100 quilómetros,

Enquanto que Portugal ocupa a quarta posição, com 14,9 carregadores por cada 100 quilómetros, as três cimeiras são representadas pelos Países Baixos, com 47,5 postos de carregamento, o Luxemburgo (34,5) e a Alemanha (19,4).

“Os consumidores não serão capazes de mudar para veículos com emissão zero se não houver postos de abastecimento e abastecimento suficientes ao longo das estradas por onde circulam”, advertiu o diretor-geral da ACEA, Eric-Mark Huitema, no comunicado divulgado no site, referindo que em países como a Grécia (0,2 por 100/km), Lituânia (0,2 por 100/km), Polónia (0,4 por 100/km) e a Letónia e Roménia (0,5 por 100/km), estes consumidores teriam que percorrer 200 quilómetros ou mais para encontrar um carregador.

“Não podemos esperar que estes consumidores estejam dispostos a comprar um carro elétrico”, argumentou Huitema.

“Um grande progresso na implantação de infraestruturas terá que ser feito em toda a UE num período de tempo muito curto. Os avanços feitos em alguns países da Europa Ocidental são encorajadores, mas não nos podemos distrair do terrível estado da rede de carregamento em outros países da UE”, ressalvou, relembrando o pacote climático ‘Fit for 55’, publicado em julho, um programa no qual a Comissão Europeia se comprometeu que até 2030 as emissões de CO2 dos carros novos fossem 55% menores do que os níveis de 2021.

Top 5 de países com mais carregadores por 100 kmTop 5 de países com menos carregadores
Países Baixos: 47,5Lituânia: 0,2
Luxemburgo: 34,5Grécia: 0,2
Alemanha: 19,4Polónia: 0,4
Portugal: 14,9Letónia: 0,5
Áustria: 6,1Roménia:0,5

 

Relacionadas

Elétricos já podem percorrer Portugal de Norte a Sul. Rede Brisa aposta na rede de carregamento

Os postos de carregamento encontram-se próximos dos principais polos urbanos de Portugal.

Mobilidade elétrica em Portugal só acelera com rede à altura

O caminho tem sido longo e tortuoso. Apesar das melhorias, os construtores automóveis consideram que é preciso continuar a investir na rede de carregamento, com mais postos elétricos na estrada.

Lidl vai ter postos de carregamento para veículos elétricos em 100 lojas até 2022

Objetivo é colocar os novos postos em todas as capitais de distrito, bem como em outras cidades, como por exemplo Monção, Barcelos, Vagos, Famalicão, Espinho, Portalegre e Gouveia que até fevereiro de 2022 estarão equipadas com pontos de carregamento elétrico.
Recomendadas

Carlos Tavares deixa administração da Airbus em 2022

“Esta decisão pessoal deve permitir a Carlos dedicar todo o seu tempo profissional para conduzir a Stellantis ao sucesso”, refere esta sexta-feira a empresa do sector automóvel.

Produção automóvel em Portugal aumenta 17,5% entre janeiro e agosto

Em agosto, foram produzidos em Portugal 3.209 veículos automóveis, traduzindo quedas de 78,6% face a agosto de 2020 e de 76,6% face ao mesmo mês de 2019, dados que a associação diz espelharem o “forte” impacto da pandemia da covid-19 nas fábricas portuguesas.
Comentários