Casas estão mais caras, mas vendas sobem 16,1%

O INE divulgou o Índice de Preços da Habitação relativos ao segundo trimestre do ano. A variação homóloga registada foi de 8%, o que não impediu que se transacionassem mais 16,1% de casas do que em período homólogo, gerando 4,6 mil milhões de euros.

As casas estão mais caras em Portugal. Os mais recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) relativamente ao Índice de Preços da Habitação (IPHab) revelam uma variação homóloga de 8% e um crescimento de 0,1% face ao trimestre anterior, o que este organismo atribui ao aumento do preço das casas novas, que cresceram 5,4% face a igualo período de 2016, e 1,2% face ao primeiro trimestre de 2017. Esta foi a segunda vez consecutiva que se registou uma aceleração dos preços deste tipo de alojamento, algo que contrasta com os das casas existentes. Aqui, a variação homóloga registada no segundo trimestre foi de 8,9%, menos 0,3% do que o que se havia verificado no primeiro trimestre de 2017.

Vendas aumentam
Apesar de os preços terem subido, o INE revela que, entre abril e junho de 2017, foram transacionados 36 886 alojamentos (o máximo desde que o INE publica este índice), um aumento homólogo de 16,1% e de 4,9% quando comparado com o trimestre transato. As vendas geraram cerca de 4,6 mil milhões de euros, dos quais 3,7 mil milhões dizem respeito a alojamentos existentes.

Entre o primeiro e o segundo trimestre de 2017, o IPHab cresceu 3,2% (2,1% no primeiro trimestre de 2017). Este foi o segundo trimestre consecutivo em que se observou uma aceleração dos preços, mais expressiva no que respeita a alojamentos novos (3,3% face a 0,8% no primeiro trimestre de 2017) do que nos alojamentos existentes (3,2% no segundo trimestre e 2,5% no primeiro trimestre de 2017).

Foi na Área Metropolitana de Lisboa, na região Norte e no Algarve que se registaram as maiores vendas de habitações (13.111, 10.752 e 3.621 transações, respetivamente). A Área Metropolitana de Lisboa ultrapassou pela primeira vez as 13.000 transações num só trimestre e representou um total de 48,2% do total de receita gerada, cerca de 2 mil milhões de euros.

Relacionadas

4,6 mil imóveis licenciados em Portugal em três meses

No 2º trimestre de 2017 foram licenciados 4,6 mil edifícios e concluídos 2,9 mil edifícios em Portugal. Os edifícios licenciados cresceram 7,4% face ao 2º trimestre de 2016, registando-se uma redução de 6,4% face ao trimestre anterior.

Reavaliação das casas imposta pela troika fez disparar IMI em 150%

Os dados recolhidos pela IGF mostram que prédios que valiam cerca de 126,2 mil milhões de euros em 2011, passaram a valer 256,9 mil milhões de euros, após as reavaliações imobiliárias, o que fez aumentar o valor cobrado em IMI.
Recomendadas

Contribuintes pagaram ao Estado quase 4 milhões de euros em cheques carecas

No primeiro semestre o Estado foi lesado em 3,7 milhões de euros, mais do que no período homólogo de 2018.

Governo afirma que atribuição de pensões vai ser mais rápida

No ano passado, a Segurança Social processou 50 milhões de pensões e prestações sociais. Cláudia Joaquim refere que a teve ‘luz verde’ a legislação para evitar que, quem fica à espera da pensão durante vários meses e depois recebe todos os montantes em atraso de uma só vez, seja penalizado em sede de IRS.

Nova gama de NIF iniciada por 3 já começou a ser atribuída

Desde esta quinta-feira, os novos NIF para cidadãos nacionais ou estrangeiros já têm um novo primeiro dígito: começa por 3 a sequência de nove números, obrigando à adaptação dos sistemas informáticos por parte de todas as entidades que utilizem o NIF. É o caso de comerciantes, bancos, empresas, contabilistas, entre outros.
Comentários